sicnot

Perfil

Mundo

Polícia turca desmantela célula de militantes curdos que preparavam atentado

A polícia turca desmantelou, na província de Bolu, uma célula de militantes curdos que estavam na posse de explosivos e de coletes usados em atentados suicidas, noticia hoje a agência de notícias Dogan.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

Reuters

As mesmas informações davam conta da detenção de sete membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla original) no âmbito da investigação sobre um atentado suicida.

A polícia descobriu ainda duas pistolas, quatro engenhos explosivos, duas kalashnikov e dois coletes.

As detenções ocorreram três dias depois de a polícia ter matado dois suspeitos de serem membros do PKK nesta província localizada a meio caminho entre Istambul e Ancara.

A Turquia vive há meses em estado de alerta devido a uma série de ataques atribuídos ao grupo Estado Islâmico e/ou ligados ao conflito curdo, tendo quatro atentados causado 79 mortes em 2016 nas duas principais cidades daquele país.

Em fevereiro e março, dois atentados com viaturas armadilhadas causaram 29 e 35 mortos, respetivamente, bem como dezenas de feridos no centro da capital turca.

No sábado, a embaixada dos Estados Unidos na Turquia alertou ter conhecimento de "ameaças credíveis" de terrorismo em áreas turísticas em Istambul e da estância balnear de Antália, aconselhando os cidadãos norte-americanos a cuidados redobrados.

O alerta da missão diplomática norte-americana na capital turca surgia um dia depois de Israel ter feito idêntico aviso, falando de um "iminente risco" de ataques e pedindo aos turistas israelitas que se encontrem de visita à Turquia para regressarem a casa.

A 19 de março, Istambul foi alvo de um atentado terrorista numa das principais ruas do comércio local, provocando a morte a quatro turistas estrangeiros, três deles israelitas, ataque suicida atribuído pelo Governo islâmico-conservador turco ao grupo Estado Islâmico (EI).

A 10 de outubro de 2015, o EI reivindicou o ataque terrorista mais mortífero na capital turca, que provocou a morte a 103 pessoas que participavam numa manifestação pró-curda em Ancara.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.