sicnot

Perfil

Mundo

Obama admite ter errado ao não pensar no futuro da Líbia após intervenção militar

O Presidente norte-americano, Barack Obama, admitiu que errou ao não pensar no futuro da Líbia após a intervenção militar de 2011, que acabou com a ditadura de Kadhafi e foi, na sua opinião, "a decisão correta".

reuters

Numa entrevista na estação televisiva conservadora Fox, o jornalista fez a Obama uma série de perguntas rápidas sobre o seu trabalho na Casa Branca, que terminará em janeiro de 2017, quando tomar posse o novo Presidente eleito nas presidenciais de novembro próximo.

À pergunta "Qual foi o seu pior erro?", o chefe de Estado respondeu: "Provavelmente, não planear o 'day after' do que, penso, foi a decisão correta de intervir na Líbia".

Esta não é a primeira vez, nas últimas semanas, que Obama fala da Líbia, um Estado falhado, vítima do caos e da guerra civil, desde que, em 2011, a comunidade internacional contribuiu militarmente para a vitória dos rebeldes sobre a ditadura de Muammar Kadhafi.

Numa longa entrevista publicada em março na revista The Atlantic, Obama reconheceu que foi um erro intervir militarmente na Líbia ao abrigo da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte, na designação portuguesa) em 2011.

"Quando olho para trás e me pergunto o que é que correu mal, há margem para críticas, porque tinha mais fé em que os europeus, dada a proximidade da Líbia, se envolvessem mais" na estabilização do país depois da operação militar, disse então Obama, referindo-se em particular a França e ao Reino Unido.

Os comentários de Obama desencadearam uma resposta do Reino Unido, que defendeu que ainda está "a trabalhar arduamente" para apoiar o processo liderado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para criar um Governo estável na Líbia.

Nos últimos meses, os Estados Unidos bombardearam duas vezes o grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Líbia, onde os 'jihadistas' têm explorado o caos em que se transformou o país norte-africano após a queda, em 2011, de Kadhafi, com o objetivo de criar um novo bastião na costa do Mediterrâneo.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.