sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional pede que não se esqueçam os desaparecidos no México

A Amnistia Internacional (AI) exigiu hoje em Berlim, no decurso da vista do Presidente do México, que a defesa dos direitos humanos seja incluída na agenda bilateral com a Alemanha e que não sejam esquecidos os 27.000 desaparecidos no país.

Salil Shetty, secretário-geral da Amnistia Internacional.

Salil Shetty, secretário-geral da Amnistia Internacional.

© Tomas Bravo / Reuters

Cerca de 30 membros da AI concentraram-se esta tarde frente ao gabinete da chanceler Angela Merkel, no momento em que recebeu Presidente mexicano Henrique Peña Nieto na sua deslocação oficial à Alemanha, e exibiram várias fotografias de alguns dos 43 estudantes de Ayotzinapa, desaparecidos em 2014.

"Queremos que hoje não se discuta apenas tecnologia, economia ou energia... Mas também o importante tema dos direitos humanos", disse à agência noticiosa Efe Fabian Lischkowitz, porta-voz da secção alemã da AI.

Lischkowitz lamentou que os dois países manifestem sempre que a luta pelos direitos humanos e democracia são valores comuns, mas "quando organizam atividades conjuntas, o tema dos direitos humanos permanece ausente".

No protesto, em alguns cartazes lia-se "De norte a sul, de leste a oeste, venceremos esta batalha", ou "Aguenta Ayotzinapa, Berlim dá-te a mão".

Um membro da organização "Kollektiv por Ayotzinapa", que luta pelo respeito dos direitos humanos no México, assegurou que "todos os dias desaparece gente e não há nenhuma justiça nem nenhuma investigação".

Os manifestantes exigiram ainda aos governos alemão e mexicano o fim da impunidade perante os sistemáticos crimes no país latino-americano, e frequentemente associados às atividades em torno do narcotráfico.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.