sicnot

Perfil

Mundo

Obama defende igualdade salarial entre homens e mulheres

O Presidente dos Estados Unidos Barack Obama defendeu hoje a igualdade salarial entre homens e mulheres, que reconheceu estar longe de adquirida, definindo-a como um "princípio fundamental da nossa economia".

© Kevin Lamarque / Reuters

"A trabalho igual salário igual. É uma ideia simples (...) mas é uma ideia que ainda não conseguimos aplicar", declarou Obama no decurso do Dia da igualdade salarial.

"Hoje, em média, uma mulher que trabalha a tempo inteiro ganha 79 cêntimos enquanto o homem ganha um dólar. E a diferença ainda é mais acentuada para uma mulher negra", acrescentou durante uma cerimónia onde a Sewall-Belmont House, uma casa em Washington que acolheu o Partido Nacional da Mulher (NWP), foi designada monumento nacional.

Este partido foi fundado pela militante Alice Paul, uma sufragista que ao longo do século XX se bateu "pela igualdade política, social e económica das mulheres nos Estados Unidos e também através do mundo", segundo o decreto assinado pelo Presidente norte-americano e destinado a proteger esta casa.

"Quero que os rapazes e raparigas venham aqui nos próximos 10, 20, 100 anos, para se recordarem que as mulheres se bateram pela igualdade", assinalou.

A candidata democrata Hillary Clinton, que em janeiro poderá tornar-se na primeira mulher a assumir a presidência dos Estados Unidos, elegeu a igualdade salarial como um dos seus temas de campanha.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.