sicnot

Perfil

Mundo

Abertas assembleias de voto para eleger novo parlamento da Coreia do Sul

As assembleias de voto abriram hoje na Coreia do Sul para eleger os 300 deputados que vão compor a nova Assembleia Nacional (parlamento). Mais de 42 milhões de sul-coreanos, dos aproximadamente 50 milhões que perfazem a população do país, são chamados às urnas, que abriram às 06:00 (22:00 em Lisboa) e encerram às 18:00 (10:00 em Lisboa).

© Kim Hong-Ji / Reuters

Um universo de 944 candidatos -- 844 homens e 100 mulheres -- apresentou-se para a eleição direta em 253 distritos, enquanto os restantes 47 assentos vão ser divididos, de forma proporcional em função do apoio conquistado por cada um das forças políticas.

O conservador Saenuri, que domina no parlamento com 146 dos 292 deputados, parte com clara vantagem, de acordo com as mais recentes sondagens, permanecendo apenas a incógnita sobre se obtém a maioria absoluta.

O Minjoo, principal força da oposição, ocupa o segundo lugar, à luz das sondagens, apesar de poder vir a perder parte dos seus 102 atuais assentos para o recém-formado Partido do Povo, do empresário e académico progressista Ahn Cheol-soo.

As sondagens indicam que nem juntos superariam o Saenuri.

A taxa de participação promete ser um fator-chave nas eleições de hoje, já que uma mobilização massiva dos jovens, em geral críticos da administração da Presidente sul-coreana, Park Geun-hye, e afetados pelo desemprego, poderá contribuir para um maior equilíbrio de forças a favor da oposição.

O abrandamento económico do último ano, do qual Governo e oposição se culpam mutuamente, poderá influenciar a votação, ao passo que a tensão com a Coreia do Norte poderá favorecer o partido no poder ao inclinar os eleitores para posições mais conservadoras em matéria de segurança.

Os resultados provisórios devem ser conhecidos uma hora depois do encerramento das urnas, sendo que os definitivos não devem ser divulgados antes da madrugada de quinta-feira.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida