sicnot

Perfil

Mundo

Dia de eleições legislativas na Síria com boicote da oposição

As assembleias de voto abriram hoje na Síria para as eleições legislativas convocadas pelo regime sírio mas boicotadas pela oposição, além de impraticáveis em vastas regiões de um país em guerra há mais de cinco anos.

reuters

Nas regiões sob controlo governamental, que representam um terço do território onde vive cerca de 60% da população, as urnas abriram às 07:00 (05:00 em Lisboa), por 12 horas, salvo se a comissão eleitoral decidir "em razão da afluência" prolongar esse período.

Inicialmente, 11.341 candidatos com mais de 25 anos tinham decidido apresentar-se ao escrutínio -- o segundo desde o início da guerra em 2011 -- para disputar os 250 assentos. Contudo, na derradeira etapa, ficaram pouco mais de 3.500.

Os restantes retiraram-se por entenderem não ter qualquer hipótese de vencer, explicou o presidente do comité jurídico supremo das eleições, o juiz Hicham al-Chaar.

As eleições coincidem com a abertura de uma nova ronda de negociações indiretas entre o regime e a oposição, sob a égide da ONU em Genebra.

Estas eleições são, contudo, qualificadas de "ilegítimas" pela oposição -- tanto interna como externamente -- e pelos países ocidentais.

A Rússia, porém, grande aliado do regime, entende que estão "em conformidade com a atual Constituição síria".

O resultado das eleições deverá ser semelhante ao das anteriores, em maio de 2012, segundo analistas.

As últimas eleições parlamentares da Síria decorreram em maio de 2012 e pela primeira vez diversos partidos, para além do Baas, foram autorizados a participar.

No entanto, a maioria dos 250 deputados eleitos para um mandato de quatro anos pertencem ao partido do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.