sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos dizem que liberdades fundamentais no mundo estão a ser atacadas

Os Estados Unidos consideraram, no preâmbulo do relatório anual sobre os direitos humanos no mundo, hoje apresentado, que as liberdades fundamentais estão a ser atacadas a nível global.

John Kerry, secretário de Estado dos EUA.

John Kerry, secretário de Estado dos EUA.

© Gary Cameron / Reuters

No relatório, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sublinhou a "tendência acelerada" em 2015 para "fechar o espaço da sociedade civil, reprimir os órgãos de comunicação social, a liberdade na Internet, marginalizar a oposição e, em casos mais extremos, assassinar pessoas ou expulsá-las das suas casas".

O documento, publicado anualmente pelo Departamento de Estado, avalia o comportamento dos governos estrangeiros em matéria de direitos humanos e serve para o Congresso decidir a ajuda externa a cada país.

No relatório deste ano, os Estados Unidos concentraram-se fundamentalmente em examinar as "táticas" e "estratégias" para "limitar a sociedade civil" usadas em 2015 por vários países.

Na categoria de países cujos governos utilizam métodos "diretos e abertos" para "limitar a sociedade civil", o Departamento de Estado colocou a Coreia do Norte, Cuba, China, Irão, Sudão, Uzbequistão, Laos, Rússia, Ruanda, República Democrática do Congo, Venezuela, Etiópia e Azerbaijão.

Na conferência de imprensa de apresentação do relatório, o subsecretário de Estado para a Democracia e Direitos Humanos, Tom Malinowski, destacou que os Estados Unidos viram em 2015 "esforços decididos para legislar e pôr fim à liberdade de associação" em "países tão grandes e influentes como a China e a Rússia".

O Departamento de Estado mencionou também a Malásia, Turquia e Tajiquistão como países que utilizam as leis antiterroristas ou de segurança nacional para "reprimir a atividade da sociedade civil".

"Na Turquia, o Governo utilizou leis antiterroristas para inibir o discurso político legítimo e o jornalismo de investigação", salienta o documento.

O documento norte-americano denuncia o uso de "procedimentos administrativos e burocráticos" por parte de alguns governos para "restringir a liberdade de associação e a sociedade civil e coloca naquela categoria o Egito, Quénia, Camboja, Uganda, Nicarágua, Bolívia, Vietname, Paquistão e Equador.

Em 2015, "fomos testemunhas de assustadores abusos contra os direitos humanos, violações do direito internacional humanitário por parte de atores não estatais como o grupo extremista Estado Islâmico, Boko Haram, Al Shabab, talibãs e organizações criminosas transnacionais", indicou John Kerry no relatório.

Segundo o secretário de Estado norte-americano, aqueles grupos "não aparecem do nada", "florescem na ausência de instituições estatais credíveis e eficazes, onde se bloqueiam as vias para a expressão livre e pacífica de opiniões e onde os sistemas judiciais carecem de credibilidade".

No capítulo dos progressos, John Kerry destacou os "importantes avanços democráticos" registados em países como a Tunísia, Nigéria, Sri Lanka e Birmânia.

Lusa

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • "Vai custar muito a voltarmos à realidade"
    2:22
  • Ministro alemão elogia Centeno que está otimista com o futuro da Zona Euro
    1:13

    Economia

    Mário Centeno diz que a Zona Euro tem um futuro positivo pela frente e acredita que o grupo dos países do euro está alinhado num projeto comum. Declarações do novo presidente do Eurogrupo no final de um encontro com o ministro das Finanças alemão, em Berlim. Peter Altmaier deu Portugal como exemplo de sucesso e reconheceu que foi um erro dividir a Europa entre Norte e Sul durante os anos da crise.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • Quando o frio até as pestanas congela

    Mundo

    Os termómetros desceram até aos - 67º Celsius em Yakutia, 5.300 quilómetros a Este de Moscovo, na Rússia. Nesta região, os estudantes estão habituados a manter as rotinas, mesmo quando as valores chegam aos - 40º Celsius, mas esta terça-feira as autoridades encerraram escolas e aconselharam a população a ficar em casa, longe do frio que até as pestanas congela.

    SIC