sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos dizem que liberdades fundamentais no mundo estão a ser atacadas

Os Estados Unidos consideraram, no preâmbulo do relatório anual sobre os direitos humanos no mundo, hoje apresentado, que as liberdades fundamentais estão a ser atacadas a nível global.

John Kerry, secretário de Estado dos EUA.

John Kerry, secretário de Estado dos EUA.

© Gary Cameron / Reuters

No relatório, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sublinhou a "tendência acelerada" em 2015 para "fechar o espaço da sociedade civil, reprimir os órgãos de comunicação social, a liberdade na Internet, marginalizar a oposição e, em casos mais extremos, assassinar pessoas ou expulsá-las das suas casas".

O documento, publicado anualmente pelo Departamento de Estado, avalia o comportamento dos governos estrangeiros em matéria de direitos humanos e serve para o Congresso decidir a ajuda externa a cada país.

No relatório deste ano, os Estados Unidos concentraram-se fundamentalmente em examinar as "táticas" e "estratégias" para "limitar a sociedade civil" usadas em 2015 por vários países.

Na categoria de países cujos governos utilizam métodos "diretos e abertos" para "limitar a sociedade civil", o Departamento de Estado colocou a Coreia do Norte, Cuba, China, Irão, Sudão, Uzbequistão, Laos, Rússia, Ruanda, República Democrática do Congo, Venezuela, Etiópia e Azerbaijão.

Na conferência de imprensa de apresentação do relatório, o subsecretário de Estado para a Democracia e Direitos Humanos, Tom Malinowski, destacou que os Estados Unidos viram em 2015 "esforços decididos para legislar e pôr fim à liberdade de associação" em "países tão grandes e influentes como a China e a Rússia".

O Departamento de Estado mencionou também a Malásia, Turquia e Tajiquistão como países que utilizam as leis antiterroristas ou de segurança nacional para "reprimir a atividade da sociedade civil".

"Na Turquia, o Governo utilizou leis antiterroristas para inibir o discurso político legítimo e o jornalismo de investigação", salienta o documento.

O documento norte-americano denuncia o uso de "procedimentos administrativos e burocráticos" por parte de alguns governos para "restringir a liberdade de associação e a sociedade civil e coloca naquela categoria o Egito, Quénia, Camboja, Uganda, Nicarágua, Bolívia, Vietname, Paquistão e Equador.

Em 2015, "fomos testemunhas de assustadores abusos contra os direitos humanos, violações do direito internacional humanitário por parte de atores não estatais como o grupo extremista Estado Islâmico, Boko Haram, Al Shabab, talibãs e organizações criminosas transnacionais", indicou John Kerry no relatório.

Segundo o secretário de Estado norte-americano, aqueles grupos "não aparecem do nada", "florescem na ausência de instituições estatais credíveis e eficazes, onde se bloqueiam as vias para a expressão livre e pacífica de opiniões e onde os sistemas judiciais carecem de credibilidade".

No capítulo dos progressos, John Kerry destacou os "importantes avanços democráticos" registados em países como a Tunísia, Nigéria, Sri Lanka e Birmânia.

Lusa

  • Apoiar o Governo "é um dever constitucional"
    0:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que apoiar o Governo é um dever constitucional do Presidente da República. Num balanço do primeiro ano em Belém, Marcelo respondeu assim a quem o acusa de andar com o Governo "ao colo".

  • Brexit só avança com aprovação parlamentar
    3:04

    Brexit

    O Supremo Tribunal britânico decidiu que o Governo precisa de ter a aprovação do Parlamento para avançar com o Brexit. A decisão foi validada por uma maioria de oito contra três juízes e justificada esta terça-feira pelo Supremo britânico. Por consequência, a libra esterlina atingiu a cotação mais alta do ano em relação ao dólar.

  • Primeira-ministra da Escócia apela ao voto contra a saída da UE
    2:25

    Brexit

    Depois da decisão do Supremo Tribunal britânico em relação ao Brexit, a primeira-ministra da Escócia veio pedir aos deputados que votem contra a saída da União Europeia. Nicola Sturgeon vai apresentar uma moção no Parlamento escocês para que este se pronuncie sobre o Brexit.

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.