sicnot

Perfil

Mundo

Mais um adolescente negro morto nos EUA após perseguição policial

Um adolescente negro de 16 anos morreu durante uma perseguição pela polícia de Chicago (EUA), depois de agentes terem parado a viatura em que viajava devido à suspeita do seu envolvimento num tiroteio.

© Jim Young / Reuters

A polícia confirmou que uma pessoa morreu na segunda-feira, mas não revelou a identidade da vítima, que foi identificada pelo jornal Chicago Tribune como um afroamericano de 16 anos.

Os agentes intercetaram a viatura em que o jovem seguia na tarde de segunda-feira, ao reconhecer que este teria estado envolvido num tiroteio no passado, mas durante a identificação o jovem escapou e foi iniciada uma perseguição, a pé, que terminou num confronto entre o suspeito e a polícia.

Um agente disparou contra o adolescente, que foi transportado para o hospital, onde morreu.

O agente também não foi identificado, mas a polícia informou que foi afastado das suas funções enquanto o caso é investigado.

A comunidade afroamericana e os corpos de polícia dos Estados Unidos têm vivido em tensão nos últimos anos, após os protestos massivos em todo o país pelas mortes dos negros Michael Brown, em Ferguson (Missouri), Eric Garner, em Nova Iorque, e Freddie Gray, em Baltimore (Maryland).

Lusa

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.