sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana marchará para exigir saída constitucional de Nicolás Maduro

A aliança opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou esta quarta-feira os venezuelanos para uma "mobilização nacional" para exigir a saída constitucional do Presidente Nicolás Maduro.

© Nacho Doce / Reuters

A marcha terá lugar no feriado de 19 de abril, dia em que os venezuelanos assinalam o aniversário da assinatura da ata de independência, que teve lugar a 19 de abril de 1810.

"Convocamos uma grande mobilização nacional para o próximo dia 19 de abril, para acelerar a mudança política, de forma pacífica, cívica e constitucional", disse aos jornalistas o porta-voz da MUD.

Segundo Freddy Guevara, com a mobilização os venezuelanos demonstrarão "a responsabilidade" de fazer o Governo entender que o país chegou ao "llegadero" (situação de crise total sem solução) e que o processo de câmbio "não tem volta atrás".

A mobilização, explicou, terá ainda como propósito exigir que as autoridades aceitem os mecanismos legais que permitam "precipitar" a saída do poder do atual chefe de Estado.

No passado dia 08 de março, a MUD anunciou o lançamento do processo para a realização de um referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolás Maduro.

"Afastar Maduro é um passo, o nosso objetivo é construir uma Venezuela unida", afirmou o secretário executivo daquela aliança, Jesus Chuo Torrealba, acrescentando que a oposição vai avançar ainda com uma reforma constitucional para reduzir a duração do mandato presidencial de seis para quatro anos.

Segundo a oposição, antes do referendo sobre a revogação do mandato presidencial, a oposição vai aprovar uma "lei de referendos" para "impedir o bloqueio ou demoras neste mecanismo constitucional, que é um direito cidadão".

A oposição pretende eleger um novo Presidente para a Venezuela até finais de 2016.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.