sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana marchará para exigir saída constitucional de Nicolás Maduro

A aliança opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou esta quarta-feira os venezuelanos para uma "mobilização nacional" para exigir a saída constitucional do Presidente Nicolás Maduro.

© Nacho Doce / Reuters

A marcha terá lugar no feriado de 19 de abril, dia em que os venezuelanos assinalam o aniversário da assinatura da ata de independência, que teve lugar a 19 de abril de 1810.

"Convocamos uma grande mobilização nacional para o próximo dia 19 de abril, para acelerar a mudança política, de forma pacífica, cívica e constitucional", disse aos jornalistas o porta-voz da MUD.

Segundo Freddy Guevara, com a mobilização os venezuelanos demonstrarão "a responsabilidade" de fazer o Governo entender que o país chegou ao "llegadero" (situação de crise total sem solução) e que o processo de câmbio "não tem volta atrás".

A mobilização, explicou, terá ainda como propósito exigir que as autoridades aceitem os mecanismos legais que permitam "precipitar" a saída do poder do atual chefe de Estado.

No passado dia 08 de março, a MUD anunciou o lançamento do processo para a realização de um referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolás Maduro.

"Afastar Maduro é um passo, o nosso objetivo é construir uma Venezuela unida", afirmou o secretário executivo daquela aliança, Jesus Chuo Torrealba, acrescentando que a oposição vai avançar ainda com uma reforma constitucional para reduzir a duração do mandato presidencial de seis para quatro anos.

Segundo a oposição, antes do referendo sobre a revogação do mandato presidencial, a oposição vai aprovar uma "lei de referendos" para "impedir o bloqueio ou demoras neste mecanismo constitucional, que é um direito cidadão".

A oposição pretende eleger um novo Presidente para a Venezuela até finais de 2016.

Lusa

  • 81 deslocados em Mação devido ao fogo
    2:46
  • Alcongosta ficou sem água, luz e telecomunicações
    2:28

    País

    O incêndio na Serra da Gardunha está dominado, mas as aldeias que estiveram rodeadas pelo fogo ainda não regressaram à normalidade. Falta água, luz e telecomunicações no sopé de uma mancha enorme de terra queimada. O fogo destruiu ainda uma floresta na Serra da Gardunha e um antigo colégio.

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04
  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.