sicnot

Perfil

Mundo

Milhares protestam contra a amnistia política na Macedónica

Milhares de manifestantes voltaram a concentrar-se hoje em Skopje pelo terceiro dia consecutivo, em protesto contra a decisão do Presidente macedónio em amnistiar dezenas de responsáveis indiciados pela justiça.

© Ognen Teofilovski / Reuters

A decisão do chefe de Estado Gjorge Ivanov, que na terça-feira decidiu agraciar todos os políticos suspeitos de delitos em nome da "reconciliação nacional e de um melhor futuro" para o país teve um efeito imediato na opinião pública, compromete todo o trabalho efetuado pelo procurador especial, e coloca em dúvida as eleições de 5 de junho.

Na capital Skopje as manifestações eclodiram de imediato, prosseguiram quarta-feira com redobrada violência com o assalto e saque de diversos gabinetes dependentes da Presidência, enquanto os Estados Unidos e a União Europeia manifestavam "inquietação".

"Gruevski, rua!", "Assassinos", voltaram a gritar hoje os manifestantes, numa alusão a Nikola Gruevski, o líder do VMRO-DPMNE, o partido conservador no poder e verdadeiro homem forte do país.

Gruevksi está incluído na lista de cerca de 50 personalidades amnistiadas preventivamente por Ivanov na terça-feira, num escândalo de numerosas escutas ilegais e com a oposição a acusá-lo de ser o principal mentor.

Na rede social Twitter, os representantes em Skopje dos EUA e UE apelaram a uma manifestação pacífica, enquanto o chefe da oposição e líder do SDSM (social-democrata), Zoran Zaev, também apelava aos seus apoiantes para um protesto sem violências.

Numa primeira reação, Zaev não hesitou em comparar esta amnistia a um golpe de Estado e acusou o Presidente de "destruir o futuro da Macedónia, o estado de direito, a dignidade dos cidadãos e o acordo de Przino" - estabelecido entre os principais partidos macedónios em julho de 2015 sob mediação da UE para ultrapassar a crise política e institucional na ex-república jugoslava.

Zaev exigiu a demissão do Presidente e apelou à sua destituição pelo parlamento. "Caso contrário o país vai caminhar para o estado de emergência", asseverou.

O chefe albanês do BDI, Ali Ahmeti, a terceira força política do país, também considerou a decisão de Ivanov "precipitada e imprudente", e proveniente de um Presidente que considerou "ilegítimo".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.