sicnot

Perfil

Mundo

Milhares protestam contra a amnistia política na Macedónica

Milhares de manifestantes voltaram a concentrar-se hoje em Skopje pelo terceiro dia consecutivo, em protesto contra a decisão do Presidente macedónio em amnistiar dezenas de responsáveis indiciados pela justiça.

© Ognen Teofilovski / Reuters

A decisão do chefe de Estado Gjorge Ivanov, que na terça-feira decidiu agraciar todos os políticos suspeitos de delitos em nome da "reconciliação nacional e de um melhor futuro" para o país teve um efeito imediato na opinião pública, compromete todo o trabalho efetuado pelo procurador especial, e coloca em dúvida as eleições de 5 de junho.

Na capital Skopje as manifestações eclodiram de imediato, prosseguiram quarta-feira com redobrada violência com o assalto e saque de diversos gabinetes dependentes da Presidência, enquanto os Estados Unidos e a União Europeia manifestavam "inquietação".

"Gruevski, rua!", "Assassinos", voltaram a gritar hoje os manifestantes, numa alusão a Nikola Gruevski, o líder do VMRO-DPMNE, o partido conservador no poder e verdadeiro homem forte do país.

Gruevksi está incluído na lista de cerca de 50 personalidades amnistiadas preventivamente por Ivanov na terça-feira, num escândalo de numerosas escutas ilegais e com a oposição a acusá-lo de ser o principal mentor.

Na rede social Twitter, os representantes em Skopje dos EUA e UE apelaram a uma manifestação pacífica, enquanto o chefe da oposição e líder do SDSM (social-democrata), Zoran Zaev, também apelava aos seus apoiantes para um protesto sem violências.

Numa primeira reação, Zaev não hesitou em comparar esta amnistia a um golpe de Estado e acusou o Presidente de "destruir o futuro da Macedónia, o estado de direito, a dignidade dos cidadãos e o acordo de Przino" - estabelecido entre os principais partidos macedónios em julho de 2015 sob mediação da UE para ultrapassar a crise política e institucional na ex-república jugoslava.

Zaev exigiu a demissão do Presidente e apelou à sua destituição pelo parlamento. "Caso contrário o país vai caminhar para o estado de emergência", asseverou.

O chefe albanês do BDI, Ali Ahmeti, a terceira força política do país, também considerou a decisão de Ivanov "precipitada e imprudente", e proveniente de um Presidente que considerou "ilegítimo".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.