sicnot

Perfil

Mundo

Ministro belga compara terroristas Abdeslam e Abrini aos judeus da ocupação nazi

O ministro do Interior belga, Jan Jambon, comparou as detenções dos terroristas Salah Abdeslam e Mohamed Abrini, desaparecidos durante meses, com os "judeus que se esconderam na Bélgica durante a ocupação nazi". As declarações estão a provocar polémica.

As declarações do ministro do Interior belga, Jan Jambon, estão a causar polémica

As declarações do ministro do Interior belga, Jan Jambon, estão a causar polémica

© Jonathan Ernst / Reuters

Meios de comunicação belgas, como a televisão RTL, criticaram hoje as declarações do ministro e o jornal La Libre recomendou a Jan Jambon ter "certos cuidados oratórios" para evitar "comparações desastrosas".

Em resposta, o ministro do Interior defendeu-se, alegando que não pretendia estabelecer um paralelismo entre os terroristas e os judeus durante a Segunda Guerra Mundial que "se escondiam e, graças ao apoio da população, conseguiam permanecer muito tempo na clandestinidade".

Jan Jambon declarou no entanto, que "os judeus enfrentavam um regime de terror que estava constantemente à sua procura e que felizmente não os encontrava".

A comparação polémica do membro do Governo aconteceu no sábado, mas só começou a gerar polémica depois de as declarações terem sido divulgadas por um estudante as ter publicado na sua conta do Twitter.

A comunidade judaica, citada no diário israelita Haaretz condenou as declarações "desastrosas" de Janbom, considerando que são "incompreensíveis e chocantes para todos os que deram refúgio aos judeus durante a ocupação, arriscando a vida".

O gabinete do ministro garantiu não teve a "intenção de atingir a população judaica do país".

Em 2004, outras declarações de Janbom também geraram controvérsia, quando o ministro referiu que os colaboradores dos nazis "tinham as suas razões".

Com Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.