sicnot

Perfil

Mundo

Ministra dos Transportes belga demite-se após polémica sobre segurança nos aeroportos

A ministra dos Transportes da Bélgica, Jacqueline Galant, demitiu-se devido à polémica sobre a segurança nos aeroportos, segundo a televisão pública belga.

O aeroporto de Zaventem foi um dos alvos dos atentados de 22 de março

O aeroporto de Zaventem foi um dos alvos dos atentados de 22 de março

© Francois Lenoir / Reuters

A oposição acusa a ministra de ter negligenciado os relatórios que apontavam para "falhas graves" em matéria de segurança nos aeroportos belgas.

A demissão de Jacqueline Galant foi aceite pelo rei Philippe, indicou o primeiro-ministro Charles Michel, segundo a agência de notícias Belga.

Três semanas após os atentados em Bruxelas, a posição da ministra ficou fragilizada ao negar ter recebido um relatório da Comissão Europeia que indicava que, desde abril de 2015, os serviços do Ministério não dispunham de meios financeiros suficientes para efetuar as inspeções necessárias aos aeroportos.

  • Mohamed Abrini disse em tribunal que não faria mal a uma mosca
    1:03

    Atentados em Bruxelas

    Presente ao juiz, Mohamed Abrini garantiu que nunca faria mal a uma mosca e que se juntou aos dois bombistas suícidas do aeroporto de Bruxelas para escapar da polícia, que o perseguia desde os atentados de Paris. Mohamed Abrini, identificado como o terceiro suspeito do atentado no aeroporto de Bruxelas, disse ao juiz que os irmãos El Bakraoui, que se fizerem explodir, pretendiam atingir as zonas de partidas para os Estados Unidos, Rússia e Israel. Abrini, Osama Krayem e mais 5 suspeitos foram presentes a tribunal esta quinta-feira.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras