sicnot

Perfil

Mundo

Raul Castro recusa "terapia de choque" para modernizar economia cubana

O presidente cubano, Raul Castro, recusou hoje qualquer "terapia de choque" ou "fórmulas de privatização" para modernizar a economia cubana, ao discursar na abertura do Congresso do Partido Comunista Cubano (PCC).

© Carlos Barria / Reuters

"Cuba nunca permitirá as chamadas terapias de choque, frequentemente aplicadas em detrimento das classes mais pobres da sociedade", disse Raul Castro na abertura do 7.º Congresso do PCC, o primeiro após o restabelecimento das relações diplomáticas com os Estados Unidos.

"As fórmulas liberais que defendem a privatização acelerada do património do Estado e dos serviços sociais, como a educação, a saúde e a segurança social, nunca serão aplicadas sob o socialismo cubano", acrescentou.

No poder desde 2008, Raul Castro lançou uma "atualização" do modelo económico cubano, com uma abertura limitada à iniciativa privada e ao investimento estrangeiro.

Aos delegados do PCC, o presidente cubano justificou a lentidão das reformas com a preocupação do governo em não prejudicar nenhum cubano.

"Esse princípio, de não deixar ninguém desarmado, condiciona em grande parte o ritmo da atualização do modelo económico cubano, que sofre de modo inegável os efeitos da crise económica internacional e [...] do embargo dos Estados Unidos", disse.

Lusa

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.