sicnot

Perfil

Mundo

Missão da ONU regressa à Líbia

O emissário das Nações Unidas para a Líbia, Martin Kobler, anunciou este domingo em conferência de imprensa o regresso da missão de apoio da ONU àquele país, depois de ter abandonado a Líbia em 2014 por questões de segurança.

© Esam Al-Fetori / Reuters

Na conferência de imprensa, Kobler referiu que a partir de agora "o pessoal da ONU estará em Tripoli cinco dias por semana".

Também hoje o vice-primeiro-ministro do novo Governo de unidade da Líbia anunciou que o executivo começa a assumir o controlo de alguns ministérios a partir de segunda-feira.

Ahmed Maiteeq disse em conferência de imprensa que o novo executivo vai assumir o controlo dos ministérios dos Assuntos Sociais; Juventude e Desporto; e Habitação e Obras Públicas já a partir de segunda-feira, independentemente dos resultados da votação à moção de confiança marcada para esse dia.

A Líbia tem tido governos rivais desde que uma aliança de milícias se apoderou de Tripoli em meados de 2014, forçando o Governo reconhecido internacionalmente a refugiar-se na parte leste do país.

A Líbia encontra-se devastada pela violência desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011.

O autoproclamado Estado Islâmico aproveitou essa instabilidade para se implantar no país em 2014, e aumentou a sua influência até assumir o controlo da cidade costeira de Sirtes, antigo bastião de Kadhafi, a 450 quilómetros a leste de Tripoli.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".