sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades japonesas intensificam operações de resgate após sismo

As autoridades japonesas intensificaram hoje as operações de busca e resgate no sudoeste do Japão, menos de 72 horas após o sismo de sábado, que causou 42 mortos e nove desaparecidos.

reuters

Dois sismos intensos, os mais fortes no Japão desde o terramoto e tsunami de 11 de março de 2011, atingiram a ilha de Kyushu na passada quinta-feira e na madrugada de sábado, o último dos quais alcançou uma magnitude de 7,3.

Os tremores causaram o colapso de centenas de edifícios e deslizamentos de terras e deixaram 35.000 casas sem eletricidade e outras 250.000 sem água corrente, entre outros danos materiais, segundo o Governo de Kumamoto.

O número de vítimas mortais chegou aos 42, a maioria na localidade de Mashiki (prefeitura de Kumamoto), enquanto outras nove pessoas continuam desaparecidas, segundo os últimos dados oficiais.

As operações de busca e resgate foram reforçadas na zona afetada antes de se cumprirem 72 horas desde o sismo mais forte, um prazo considerado crucial para encontrar com vida pessoas presas entre os escombros.

O número de efetivos das forças militares, polícia e bombeiros destacados na zona aumentou até aos 30.000, segundo informou a emissora estatal NHK.

Estes trabalhos foram dificultados pelas chuvas intensas registadas no fim de semana, bem como as constantes réplicas sísmicas.

Desde o primeiro sismo, na quinta-feira, considerado o precursor do tremor principal da madrugada de sábado, foram detetados 527 sismos, segundo os dados da Agência Meteorológica do Japão.

Este organismo também alertou para a possibilidade de se produzirem novos abalos de grande intensidade nos próximos dias.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou hoje que as autoridades "farão todos os esforços possíveis para resgatar com vida os que ainda estão desaparecidos, e para recuperar a zona afetada".

Cerca de 104.900 pessoas foram deslocadas e instaladas em 638 abrigos temporários em Kumamoto e outras 1.048 foram colocadas na prefeitura de Oita

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.