sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Venezuela apoia Dilma e critica direita latino-americana

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, manifestou hoje "total apoio" à sua homóloga brasileira, Dilma Roussef, que enfrenta um processo de destituição, considerando que a "direita na América desconhece a própria soberania da região".

reuters

"A direita do continente americano desconhece a Soberania Popular? Eles querem que desapareçamos? Alerta, alerta, eles vêm aí", afirma o chefe de Estado da Venezuela numa publicação divulgada através da rede social Twitter, juntamente com várias imagens de apoio a Dilma Rousseff.

Durante as últimas semanas, Maduro tem manifestado o apoio à Presidente do Brasil sublinhando que Rousseff está a ser vítima de um "golpe de Estado mediático-judicial" e de uma "ofensiva imperialista" que quer neutralizar a "esquerda latino-americana".

"Pretender destituir a primeira mulher Presidente do Brasil diz muito do que é a obsessão imperial que ganha expressão no continente", disse Maduro na semana passada num discurso transmitido pela televisão estatal da Venezuela.

A Câmara dos Deputados do Brasil aprovou no domingo à noite o pedido de afastamento de Dilma Rousseff do cargo de Presidente por 367 votos a favor e 137 contra.

Registaram-se sete abstenções e duas ausências, numa sessão em que eram necessários os votos de pelo menos 342 deputados para aprovar a abertura do processo de destituição da presidente.

O pedido de "impeachment" (impugnação) segue para o Senado, onde também terá de ser aprovado, por maioria simples.

Caso venha a acontecer, Dilma Rousseff é temporariamente afastada do cargo e o vice-presidente, Michel Temer, passa a assumir o cargo.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão