sicnot

Perfil

Mundo

Por que comer legumes faz bem ao ambiente

Deixar de andar de carro ou parar de comer carne, a bem do ambiente? A melhor opção poderá ser a segunda. A razão é simples: o gado gera mais gases com efeito de estufa que os aviões, comboios e automóveis, sustentam alguns estudos compilados pela The Economist.

reuters

Segundo um estudo da FAO, os ruminantes "domésticos" de todo o mundo libertam 100 mil toneladas de metano - um gás com efeito de estufa 25 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono.

Os ruminantes como as vacas ou as ovelhas têm bactérias no estômago capazes de digerir plantas rijas e ricas em celulose, o que se traduz na produção de gases que são depois libertados.

Um outro estudo, de 2013, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences associa a produção de gases com efeito de estufa por cada quilo de proteína de diferentes animais: a galinha e o porco são as opções mais amigas do ambiente, aliadas à eficiência da sua produção.

Um estudo recente, também publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences, calcula os benefícios de uma dieta pobre em carne ou mesmo sem carne, até 2050. O modelo tem por base um regime alimentar que inclui cinco porções de legumes e frutas por dia, menos de 50 g de açúcar, até 43g de carne vermelha e um total de entre 2200 - 2300 calorias, a par de uma dieta vegetariana e vegan.

Com uma dieta pobre em carne, os gases com efeito de estufa terão um aumento modesto, de cerca de 7% até 2050. Por outro lado, uma mudança generalizada da população para o vegetarianismo poderia reduzir as emissões em quase dois terços, e para o veganismo em 70%.

Segundo a The Economist, controlar a quantidade de carne consumida pela população não é, porém, do interesse dos governos

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".