sicnot

Perfil

Mundo

Sismo no Equador provocou 480 mortos, 2560 feridos e 1700 desaparecidos

O violento sismo que atingiu o Equador no sábado provocou pelo menos 480 mortos enquanto 1700 pessoas permanecem desaparecidas três dias após a tragédia, indica um novo balanço anunciado pelas autoridades.

© Guillermo Granja / Reuters

O vice-ministro do Interior, Diego Fuentes, revelou ainda que 2560 pessoas ficaram feridas no abalo com uma magnitude de 7,9º graus na escala de Richter, que atingiu a costa equatoriana do Pacífico no sábado.

O terramoto, registado às 18:58 locais (00:58 de domingo em Lisboa), ocorreu a dez quilómetros de profundidade e com o epicentro a cerca de 173 quilómetros da capital do Equador, Quito, e a apenas 28 quilómetros da cidade costeira de Muisne (noroeste), informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que monitoriza a atividade sísmica mundial.

Lusa

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38