sicnot

Perfil

Mundo

Desconhecidos atacaram canal de televisão estatal na Venezuela

A sede da Venezuelana de Televisão (VTV), o principal canal de televisão estatal da Venezuela, foi hoje atacada por homens ainda não identificados, afirmou o ministro da Comunicação e Informação venezuelano, Luís José Marcano.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"Outra expressão de ódio contra a VTV, as instalações acabam de ser atacadas", disse o ministro aos jornalistas, sem precisar de que forma foi realizado o ataque.

O ataque, segundo imagens divulgadas pelo ministro no Twitter, causou danos materiais na área da entrada do edifício, em Caracas.

"Uma vez mais os nossos vizinhos demonstraram o seu caráter fascista provocando danos nas nossas instalações", frisou, sem especificar a quem se referia, ao mesmo tempo que exortou as autoridades locais a avançarem rapidamente com as investigações para identificarem os responsáveis pelo ataque.

Segundo o ministro, a agressão "é uma expressão de ódio contra VTV, contra o 'chavismo', contra a revolução, contra a paz".

Por outro lado, o presidente de VTV, Jordán Rodrígues, disse aos jornalistas que aquela estação de televisão foi alvo de ataques em 2004, 2007, 2013 e 2014, durante manifestações contra o Governo venezuelano.

"Não importa quantas pedras nos atirem. Vamos continuar aqui, na batalha comunicacional, para gerar maior consciência no povo venezuelano", disse aos jornalistas daquela estação.

Jordán Rodríguez recordou que no passado o canal foi encerrado por opositores, durante os acontecimentos de abril de 2012, em que Hugo Chávez (Presidente da Venezuela entre 1999 e 2013) foi afastado temporariamente do poder.

"Nunca mais voltarão a encerrar esta estação televisiva e continuaremos a ser a expressão popular do povo revolucionário e daremos voz aos que são invisíveis para os meios de comunicação privados", disse.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite