sicnot

Perfil

Mundo

Sismos no sudoeste do Japão danificaram mais de 9 mil edifícios

Os sismos que atingiram na quinta-feira e no sábado as prefeituras de Kumamoto e Oita, na ilha de Kyushu, sudoeste do Japão, causaram danos em mais de nove mil edifícios, segundo a imprensa local.

© KYODO Kyodo / Reuters

Os abalos, os mais fortes sentidos no Japão desde aquele que gerou o devastador 'tsunami' de março de 2011, causaram até agora 47 mortos, cinco desaparecidos e mais de mil feridos, enquanto 125 mil pessoas continuam deslocadas, informam as autoridades locais.

Os sismos causaram também danos estruturais em 9.049 imóveis e destes, cerca de mil ficaram completamente destruídos, a maioria na localidade de Mashiki (Kumamoto), segundo dados compilados pela agência de notícias Kyodo.

O primeiro terramoto, de 6,5 graus, atingiu o país na noite de quinta-feira, enquanto o outro, de 7,3, aconteceu na madrugada de sábado, provocando a queda de construções e deslizamentos de terras.

Até às 10:00 de hoje (02:00 em Lisboa) foram registadas mais de 681 réplicas, segundo dados da Agência Meteorológica do Japão, incluindo 89 com intensidade superior a quatro graus.

Lusa

  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

    Direto

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.