sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal Constitucional admite recurso da defesa dos ativistas angolanos

O Tribunal Constitucional angolano admitiu segunda-feira o recurso da defesa dos ativistas condenados e a cumprirem penas de prisão, após reclamação, disse hoje à Lusa o advogado Walter Tondela.

(EPA/ Arquivo)

Segundo o advogado de defesa, este recurso aponta inconstitucionalidades nos crimes pelos quais os 17 ativistas foram condenados em primeira instância pelo Tribunal de Luanda, nomeadamente o crime de rebelião, e ainda "vários vícios processuais" e a "violação de direitos fundamentais como de reunião e expressão".

O recurso ordinário de inconstitucionalidade deu entrada, conforme decorre da tramitação processual angolana, na 14.ª Secção do Tribunal Provincial de Luanda, a 1 de abril, mas segundo a defesa ainda não tinha sido ainda enviado pela primeira instância para apreciação do Tribunal Constitucional.

Esta situação, dada a urgência do processo, com réus detidos, levou a defesa a reclamar a 7 de abril para o juiz conselheiro presidente do Tribunal Constitucional, Rui Ferreira.

"Em despacho datado de 18 de abril, do qual fomos hoje notificados, deu provimento à nossa reclamação e, em consequência, admitiu o recurso ordinário de inconstitucionalidade interposto pela defesa dos réus, atribuindo-lhe efeito suspensivo e a subir nos próprios autos", informou, por seu turno, Luís Nascimento, outros dos advogados de defesa.

Os 17 ativistas foram condenados a 28 de março a penas de prisão efetiva entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses, por atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores.

Apesar de ter admitido os recursos imediatamente interpostos pela defesa - anunciados para os tribunais Supremo e Constitucional -, alegando que se tratavam de penas de prisão maior (mais de dois anos), o juiz da causa, Januário Domingos, não suspendeu a execução da pena e no mesmo dia foram emitidos e concretizados os mandados de condução à cadeia para todos.

Nas alegações finais do recurso agora admitido no Tribunal Constitucional - a apresentar no prazo de dez dias - a defesa vai voltar a solicitar a libertação dos réus, tendo em conta que os recursos anteriores foram apresentados com efeito suspensivo do cumprimento da pena. De resto como também como é solicitado num outro recurso, de habeas corpus, neste caso apresentado pelo advogado David Mendes para o Supremo, pedindo o regresso dos 17 ativistas condenados à condições carcerária anterior, de prisão domiciliária e liberdade provisória.

O julgamento decorreu entre 16 de novembro e 28 de março na 14.ª Secção do Tribunal Provincial de Luanda, tendo o rapper'luso-angolano Luaty Beirão sido condenado a uma pena total de cinco anos e meio de cadeia, enquanto o professor universitário Domingos da Cruz, autor do livro que o grupo utilizava nas suas reuniões semanais para discutir política, viu o tribunal aplicar-lhe uma condenação de oito anos e meio, por também ser o suposto líder da associação de malfeitores.

Na última sessão do julgamento, o Ministério Público deixou cair a acusação de atos preparatórios para um atentado ao Presidente e outros governantes, apresentando uma nova, de associação de malfeitores, sobre a qual os ativistas não chegaram a apresentar defesa, um dos argumentos dos recursos.

O tribunal deu como provado que os acusados formaram uma associação de malfeitores, pelas reuniões que realizaram em Luanda entre maio e junho de 2015 (quando foram detidos). Num "plano" desenvolvido em coautoria, pretendiam - concluiu o tribunal - destituir os órgãos de soberania legitimamente eleitos, através de ações de "Raiva, Revolta e Revolução", colocando no poder elementos da sua "conveniência" e que integravam a lista para um "governo de salvação nacional".

Os ativistas garantiram em tribunal que defendiam ações pacíficas e que faziam uso dos direitos constitucionais de reunião e de associação.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.