sicnot

Perfil

Mundo

UE propõe que ucranianos passem a viajar sem visto na Europa

A União Europeia propôs hoje que os cidadãos ucranianos passem a viajar sem visto na Europa, cumprindo uma promessa feita ao Governo pró-ocidental de Kiev.

© Valentyn Ogirenko / Reuters

"Hoje, cumprimos o nosso compromisso de propor viagens de curta duração para a União Europeia sem visto para cidadãos ucranianos com passaportes biométricos", disse o comissário europeu para a Migração, Dimitris Avramopoulos, em conferência de imprensa em Bruxelas.

"Este é o resultado do êxito do Governo ucraniano na concretização de reformas profundas e difíceis nas áreas da Justiça e dos Assuntos Internos e noutras", acrescentou.

Avramopoulos indicou que a Comissão Europeia, o braço executivo da UE, vai apresentar formalmente a proposta aos Estados membros, que depois a votarão.

A isenção de visto para viajar é um marco na chamada Parceria de Leste, concebida para atrair países do leste europeu para a esfera de influência da UE.

O parlamento da Ucrânia aprovou no mês passado uma importante lei anticorrupção que levou à decisão de Bruxelas sobre a isenção de visto.

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, disse hoje que foi "um longo e árduo caminho" para chegar a este ponto e que esperava obter um acordo sobre viagens sem visto "dentro de alguns meses".

Um tal acordo pode revelar-se particularmente irritante para Moscovo, cujos esforços para garantir a entrada e a circulação na UE sem visto, mesmo que apenas para empresários, se arrastaram durante anos, antes de caírem vítimas da crise ucraniana.

A União Europeia suspendeu as negociações de liberalização de vistos com a Rússia no início do ano passado, quando adotou medidas punitivas, que mais tarde incluiriam fortes sanções económicas, devido ao papel de Moscovo na agudização da crise da Ucrânia.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26