sicnot

Perfil

Mundo

UE propõe que ucranianos passem a viajar sem visto na Europa

A União Europeia propôs hoje que os cidadãos ucranianos passem a viajar sem visto na Europa, cumprindo uma promessa feita ao Governo pró-ocidental de Kiev.

© Valentyn Ogirenko / Reuters

"Hoje, cumprimos o nosso compromisso de propor viagens de curta duração para a União Europeia sem visto para cidadãos ucranianos com passaportes biométricos", disse o comissário europeu para a Migração, Dimitris Avramopoulos, em conferência de imprensa em Bruxelas.

"Este é o resultado do êxito do Governo ucraniano na concretização de reformas profundas e difíceis nas áreas da Justiça e dos Assuntos Internos e noutras", acrescentou.

Avramopoulos indicou que a Comissão Europeia, o braço executivo da UE, vai apresentar formalmente a proposta aos Estados membros, que depois a votarão.

A isenção de visto para viajar é um marco na chamada Parceria de Leste, concebida para atrair países do leste europeu para a esfera de influência da UE.

O parlamento da Ucrânia aprovou no mês passado uma importante lei anticorrupção que levou à decisão de Bruxelas sobre a isenção de visto.

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, disse hoje que foi "um longo e árduo caminho" para chegar a este ponto e que esperava obter um acordo sobre viagens sem visto "dentro de alguns meses".

Um tal acordo pode revelar-se particularmente irritante para Moscovo, cujos esforços para garantir a entrada e a circulação na UE sem visto, mesmo que apenas para empresários, se arrastaram durante anos, antes de caírem vítimas da crise ucraniana.

A União Europeia suspendeu as negociações de liberalização de vistos com a Rússia no início do ano passado, quando adotou medidas punitivas, que mais tarde incluiriam fortes sanções económicas, devido ao papel de Moscovo na agudização da crise da Ucrânia.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria" é a Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.