sicnot

Perfil

Mundo

DiCaprio, Lagarde e Zuckerberg entre as 100 pessoas mais influentes da revista Time

A revista norte-americana Time publicou hoje a sua lista das pessoas mais influentes do ano, em que se incluem o ator Leonardo DiCaprio, a diretora do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, e o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

© Lucas Jackson / Reuters

A revista dividiu a lista em cinco grupos -- titãs, pioneiros, artistas, líderes e ícones --, com perfis dos 100 mais influentes escritos por diferentes personalidades do mundo a que pertencem.

DiCaprio que, após várias nomeações, só este ano ganhou o Óscar de Melhor Ator da Academia Cinematográfica Norte-Americana, pela sua interpretação no filme "The Revenant", não consta da lista enquanto artista, mas como "ícone", pelo seu profuso trabalho em prol das causas ambientais.

"Preparação, autenticidade e inteligência estão na base do que ele é como artista. Mas admiro-o ainda mais por usar essas fantásticas ferramentas para se transformar numa força tão estimulante para proteger o nosso planeta", escreveu, sobre DiCaprio, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

A presidente da Reserva Federal (Fed), Janet Yellen, elogiou na diretora do FMI a capacidade para liderar a organização "em tempos tumultuosos para a economia mundial" e, apesar de integrar a lista dos "líderes", sublinhou o seu caráter "pioneiro", por ser a primeira mulher a ocupar a direção da instituição.

Mark Zuckerberg, acompanhado da mulher, Priscilla Chan, é escolhido pelo casal Bill e Melinda Gates, pela sua vocação filantrópica e por pôr parte do seu talento ao serviço dos outros.

O papa Francisco aparece na lista dos "titãs", ao passo que o cineasta mexicano Alejandro González Iñárritu, que este ano ganhou pela segunda vez consecutiva o Óscar de Melhor Realizador por "The Revenant", surge na lista como "ícone" social, juntamente com o protagonista do filme, Leonardo DiCaprio.

Sobre o chefe da Igreja Católica, o vice-presidente norte-americano, Joe Biden, disse na revista que, na sua visita aos Estados Unidos no ano passado, Francisco paralisou o país e destacou a sua capacidade de personificar os valores humanistas universais.

"Entusiasmou o mundo, porque encarna os princípios básicos da doutrina social católica, que também afetam todas as grandes religiões: toda a gente tem direito a ser tratada com dignidade, temos a obrigação de ajudar os pobres, temos responsabilidades para com os outros e para com o nosso planeta", sublinhou o vice-presidente.

A lista inclui ainda, como em anos anteriores, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mas também, desta vez, o magnata e pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.