sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento timorense apoia candidatura de António Guterres à ONU

O Parlamento Nacional timorense aprovou esta semana por unanimidade uma resolução de apoio à candidatura de António Guterres ao cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

© Denis Balibouse / Reuters

"António Guterres é detentor de uma experiência incomparável no plano internacional, que, aliada ao seu carácter humanista, integridade e elevada capacidade diplomática, o tornam um candidato altamente qualificado para ocupar o cargo de secretário-geral das Nações Unidas", refere a resolução.

"Assim, o Parlamento Nacional expressa o seu apoio e apresenta os maiores votos de sucesso à candidatura de António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas", acrescenta o texto.

A resolução destaca a "longa carreira política dedicada ao serviço público" do ex-primeiro-ministro português e ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, marcada pela "acérrima defesa dos mais altos valores e princípios universais dos direitos humanos".

O parlamento timorense sublinha que António Guterres, nesses dois cargos, "defendeu e promoveu com determinação os princípios e valores essenciais da paz, da solidariedade e do desenvolvimento sustentável da Humanidade".

"Durante o seu mandato como primeiro-ministro de Portugal, os esforços diplomáticos de António Guterres foram determinantes para colocar a questão da autodeterminação de Timor-Leste em discussão no plano internacional", lê-se na resolução.

Algo que contribuiu "de forma decisiva para a realização do referendo em agosto de 1999 que conduziu à libertação do povo timorense e restauração da independência e, depois, para a intervenção das Nações Unidas no território nacional, de modo a pôr fim à onda de violência que se seguiu à realização do referendo e anúncio dos resultados", nota a resolução.

Lusa

  • António Guterres elogiado pelo discurso claro e seguro
    2:20

    Mundo

    António Guterres foi ouvido na sede da ONU para apresentar o programa com que se candidata a secretário-geral da organização e acabou por ser elogiado pelo discurso claro e seguro. Foi uma espécie de entrevista em que disse que a experiência como Alto Comissário para os Refugiados o preparou para assumir a responsabilidade máxima na ONU e também falou na capacidade de diálogo que teve enquanto chefiou o governo português.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02