sicnot

Perfil

Mundo

Rússia declara cidade de Palmira livre de minas

As Forças Armadas russas anunciaram hoje ter desminado totalmente a cidade síria de Palmira, património mundial da UNESCO, depois de esta ter sido retomada pelas forças governamentais ao grupo 'jihadista' Estado Islâmico no mês passado.

Depois do Daesh: vista da cidade histórica de Palmira, março, 2016

Depois do Daesh: vista da cidade histórica de Palmira, março, 2016

© Sana Sana / Reuters

"Hoje, a missão de desminagem da parte arquitetural antiga de Palmira foi completada", disse o comandante dos engenheiros militares russos, Yuri Stavitsky, ao Presidente da Rússia, Vladimir Putin, numa chamada telefónica com vídeo a partir da Síria.

Stavitsky indicou que os especialistas em minas e armadilhas russos encontraram e desativaram 2.991 engenhos explosivos num perímetro de 234 hectares e ao longo dos 23 quilómetros de estrada do caminho para lá.

"Agora, as unidades de engenheiros foram desminar a área residencial da cidade de Palmira e o aeroporto", referiu Stavitsky.

"Foram verificados 367 edifícios, 40 hectares de terreno e 9,5 quilómetros de estradas. Foram destruídos 1.432 engenhos explosivos", precisou.

Cerca de 560 hectares da cidade moderna continuam por desminar, acrescentou.

"Transmita a minha gratidão a todo o pessoal: oficiais, soldados, aqueles que fornecem segurança. Muito obrigado. Desejo-vos êxito", disse Putin na ligação vídeo.

Palmira foi recuperada ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) pelas forças leais ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiadas por fogo russo, a 27 de março.

Os 'jihadistas' tinham já explodido templos classificados pela UNESCO e saqueado relíquias antigas do local conhecido como "Pérola do Deserto", depois de tomarem a cidade, em maio de 2015.

A recuperação do controlo de Palmira e das suas mundialmente famosas antiguidades tem sido um dos maiores golpes de propaganda para Moscovo desde que lançou uma ofensiva aérea para apoiar o aliado de longa data Assad, em setembro, uma jogada que desencadeou a condenação do Ocidente.

A missão de desminagem foi pessoalmente ordenada por Putin, e o Kremlin tem-se esforçado por publicitá-la.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.