sicnot

Perfil

Mundo

Voto passa a ser obrigatório na Bulgária

A Bulgária introduziu hoje o voto obrigatório, com o qual o Governo espera impulsionar a baixa taxa de participação eleitoral e combater a compra de votos num dos países mais corruptos da Europa.

© Stoyan Nenov / Reuters

Entre as medidas aprovadas pelo Parlamento, quem não votar será eliminado dos registos e terá de fazer um novo registo se quiser participar em eleições posteriores.

Na eleição geral de 2014, 48,4 por cento dos eleitores votaram, o número mais baixo de participação desde a queda do comunismo no país, em 1990.

Os especialistas afirmam que o principal fator para a baixa participação eleitoral prende-se com um desencantamento com uma elite política que é vista como corrupta, desligada da população e que foi incapaz de melhorar as condições de vida básicas.

O analista da Gallup Andrey Raychev disse ao canal televisivo público BNT que a falta de multas aplicadas a quem não votasse era um "compromisso estúpido".

São poucos os países com voto obrigatório, com a Austrália e Argentina como exemplos notáveis.

A obrigatoriedade de voto na Bulgária será aplicada nas eleições presidenciais de outubro.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.