sicnot

Perfil

Mundo

EUA mataram 20 civis no Iraque e na Síria

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos admitiu hoje ter matado 20 civis em vários ataques aéreos no Iraque e na Síria entre setembro e fevereiro, no âmbito da campanha militar contra o Daesh.

© Bassam Khabieh / Reuters

Em comunicado, o Comando Central dos Estados Unidos, que dirige as operações contra o Daesh, informou que naqueles ataques também ficaram feridos 11 civis.

Desde o começo da operação militar em 2014, os Estados Unidos já reconheceram ter matado 41 civis naqueles dois países.

"Lamentamos profundamente a perda acidental daquelas vidas e dos feridos resultantes dos ataques e expressamos os nossos sentidos pêsames às famílias das vítimas e afetados", referiu, no comunicado, o comando.

Segundo o Pentágono, a divulgação daqueles números já faz parte de um "compromisso de transparência".

"Continuarem a rever as baixas de civis e dar informação no futuro", assegurou o comando.

Os ataques avaliados no último relatório decorreram entre 10 de setembro de 2015 e 2 de fevereiro.

Com Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.