sicnot

Perfil

Mundo

Novo governo de Cabo Verde toma hoje posse

Mais de um mês depois das eleições legislativas de 20 de março em Cabo Verde, toma hoje posse o novo Governo, que será composto por 12 membros, incluindo o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva.

Ulisses Correia e Silva

Ulisses Correia e Silva

MÁRIO CRUZ/LUSA

O novo elenco governativo, um dos mais pequenos desde a abertura do país ao multipartidarismo, inclui quatro independentes, três mulheres e não tem secretários de Estado.

Trata-se de um governo pequeno, produtivo e parceiro, na definição do primeiro-ministro indigitado, Ulisses Correia e Silva, que justificou a opção "por este figurino" com a necessidade de existir "uma forte coordenação política, uma boa articulação e uma boa integração das políticas".

Entre os nomes que irão ocupar as pastas ministeriais pontuam, além do primeiro-ministro, os vice-presidentes do Movimento para a Democracia (MpD), Olavo Correia (Finanças), Luís Filipe Tavares (Negócios Estrangeiros, Comunidades e Defesa) e Janine Lélis (Justiça e Trabalho).

Fazem ainda parte do governo, o antigo líder parlamentar do MpD Fernando Elísio Freire (Presidência do Conselho de Ministros, Assuntos Parlamentares e Desporto) e o membro da comissão política nacional e responsável pela comunicação da campanha eleitoral do MpD, Abraão Vicente (Cultura e Indústrias Criativas).

O novo executivo conta ainda com quatro independentes: o consultor internacional José Gonçalves, que integrou o MpD na década de 90, (Economia e Emprego), a técnica das Nações Unidas, Maritza Rosabal (Educação, Família e Inclusão Social), a deputada independente pelo MpD na legislatura anterior, Eunice Silva (Infraestruturas de Transportes, Ordenamento do Território e Habitação) e o até agora diretor-geral dos Serviços de Informações da República, Paulo Costa Rocha (Administração Interna).

Fecham o elenco o médico Arlindo do Rosário e número dois da lista do MpD na ilha de Santo Antão (Saúde) e o vereador do ambiente da câmara da Praia, Gilberto Correia Carvalho Silva, (Agricultura e Ambiente).

O Governo toma posse depois de na quarta-feira ter sido constituída a Assembleia Nacional para a IX Legislatura, saída das eleições de 20 de março, que deram a vitória ao MpD com 53,58% dos votos e 40 dos 72 deputados.

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), no poder há 15 anos, garantiu 37,53% dos votos e 29 deputados.

A União Cabo-Verdiana Democrática e Independente (UCID) conseguiu 6,75% dos escrutínios e elegeu os restantes três deputados do parlamento.

Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.