sicnot

Perfil

Mundo

Número recorde de países assinam acordo contra alterações climáticas

Um número recorde de países, incluindo os EUA e a China, os maiores poluidores do mundo, assinaram hoje na ONU o acordo histórico que visa diminuir o aquecimento do planeta, negociado em dezembro passado em Paris.

© Mike Segar / Reuters

De forma simbólica, o Presidente francês, François Hollande, foi o primeiro a assinar o documento, entre mais de 171 países representados.

"Nunca antes tantos países tinham assinado um acordo internacional num único dia", congratulou-se o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, saudando um "momento histórico".

A China e os EUA estiveram representados, respetivamente, pelo vice-primeiro-ministro Zhang Gaoli e o secretário de Estado John Kerry. Este último assinou com a sua neta sentada no colo.

Os países signatários representam mais de 93% das emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento global e subsequentes alterações climáticas, segundo a organização não-governamental World Ressources Institute.

A assinatura é apenas uma primeira etapa. O acordo só entra em vigor quando 55 países responsáveis por pelo menos 55% das emissões daqueles gases o ratificarem.

O número de pelo menos 171 países signatários num único dia é um recorde. O precedente datava de 1982, quando 119 países rubricaram a convenção da ONU sobre o direito do mar.

Os cientistas instam à ação imediata. O último mês foi o março mais quente alguma vez registado, segundo os meteorologistas dos EUA. Desde há 11 meses que cada mês bate um recorde de calor, uma série inédita em 137 anos de registos.

O acordo de Paris compromete os seus subscritores a limitar a subida da temperatura "bem abaixo dos 2ºC" em relação ao período pré-industrial e a "prosseguir os seus esforços" para limitar esta subida a 1,5ºC. Este ambicioso objetivo vai exigir uma vontade prolongada e centenas de milhares de milhões de dólares para garantir a transição para energias limpas.

Lusa

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.