sicnot

Perfil

Mundo

Sete mortos, incluindo cinco crianças, em tiroteio no Ohio, Estados Unidos

Pelo menos sete pessoas, incluindo cinco crianças, morreram hoje nos Estados Unidos num tiroteio numa propriedade rural da cidade de Peebles, no Estado de Ohio, informaram media locais.

John Minchillo

A cadeia de televisão WLWT citou um pastor local, Phil Fulton, a referir que as autoridades o informaram de que o tiroteio, sobre o qual não há ainda pormenores, provocou a morte de dois adultos e cinco crianças.

A procuradoria do Estado de Ohio, centro-leste dos Estados Unidos, emitiu um comunicado referindo "homicídios múltiplos", mas não avançou mais pormenores.

O gabinete de Investigação Criminal do Ohio (BCI, na sigla em Inglês) informou a cadeia televisiva WJW de que os cadáveres estão em vários locais da estrada rural de Union Hill, sem clarificar se pertencem todos à mesma propriedade.

Várias dezenas de agentes do BCI e outros serviços de segurança deslocaram-se para o local dos acontecimentos, uma propriedade particular a 112 quilómetros de Cincinnati, no condado de Pike.

Desconhece-se de momento se o autor ou os autores do tiroteios estão no local ou se fugiram, bem como o motivo da ocorrência.

"As informações que estão a receber de Peebles são trágicas, além do compreensível. Estamos a seguir os desenvolvimentos de perto e o Estado vai trabalhar com as forças de segurança locais no que for possível", escreveu na rede social Twitter o governador do Ohio e aspirante republicano à Presidência, John Kasich.

A polícia federal (FBI) no Cincinnati "está a acompanhar a situação de perto" e ofereceu ajuda ao condado, segundo uma mensagem que colocou nas redes sociais.

Algumas escolas da zona encerraram os recreios por precaução, se bem que os alunos permaneçam nas salas.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".