sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos vão sofrer corte de eletricidade durante 40 dias

A Venezuela anunciou hoje um novo plano de racionamento de energia elétrica que passa pelo corte de fornecimento doméstico durante quatro horas diárias durante 40 dias a partir de 25 de abril.

(Reuters)

(Reuters)

REUTERS

O ministro da Energia Elétrica, Luís Motta Dominguez, explicou que a medida poderá prolongar-se até o nível da principal barragem do país (El Guri) recuperar ou até começar a época das chuvas (finais de maio).

"Com estas quatro horas diárias, os venezuelanos vão colaborar para deter a descida do nível de água da Central Hidroelétrica no Guiri", explicou à televisão pública VTV.

Segundo o ministro, a suspensão será feita ao longo do dia, em blocos de quatro horas, estando o serviço elétrico garantido para todos os venezuelanos apenas entre as 20:00 e a meia-noite.

Luís Motta Dominguez afirmou que a seca provocada pelo fenómeno climático El Niño fez descer o nível de água da barragem de El Guri a um mínimo histórico.

A 6 de abril, o Presidente da Venezuela anunciou a redução do horário de atendimento da administração pública, que passou a funcionar apenas até às 13:00, e decretou as sextas-feiras como dia não trabalhável até junho.

Em março, Nicolas Maduro decretou dias feriados o período entre 19 e 27 de março, coincidindo com a época da Páscoa.

As duas medidas tiveram como propósito poupar energia e água.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.