sicnot

Perfil

Mundo

Líder da oposição sul-africana admite recurso à violência para derrubar Governo

O chefe do partido da oposição sul-africana Combatentes pela Liberdade Económica afirmou, numa entrevista à televisão Al-Jazeera, que "em breve perderá a paciência", admitindo o recurso à violência para derrubar o Governo.

Há vários meses que o partido exige a saída do Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, acusando-o de ter corrompido o país.

Há vários meses que o partido exige a saída do Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, acusando-o de ter corrompido o país.

© Mike Hutchings / Reuters

"Não temos medo do Exército, não temos medo de combater, nós vamos combater", disse Julius Malema, líder do EFF (na sigla em inglês).

Há vários meses que o partido exige a saída do Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, acusando-o de ter corrompido o país.

No final de março, Jacob Zuma foi considerado culpado, pela justiça sul-africana, de ter violado a Constituição, ao recusar devolver parte dos 20 milhões de euros do erário público que gastou em obras na sua residência particular.

Frequentemente, os deputados do EFF perturbam as sessões do parlamento, ao interpelarem a presidente da assembleia sobre pontos do regimento ou exibindo 'slogans' contra Zuma.

O líder dos Combatentes pela Liberdade Económica foi excluído, em 2012, do partido Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), no poder, quando dirigia a camada mais jovem de militantes.

Julius Malema fundou, posteriormente, o EFF, partido de esquerda radical, que entrou no parlamento após as eleições legistativas de maio de 2014, onde obteve 6,35% dos votos, tornando-se a terceira força política sul-africana.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.