sicnot

Perfil

Mundo

Governo cabo-verdiano diz que ataque em posto militar teve "motivações pessoais"

O ministro da Administração Interna de Cabo Verde, Paulo Rocha, afirmou hoje que a morte de 11 pessoas num posto militar teve "motivações pessoais" e indicou que as autoridades estão à procura do suspeito, um soldado daquele destacamento.

DULCENEIA RAMOS

O ataque ao destacamento militar do centro retransmissor do Monte Txota, concelho de São Domingos, teve "motivações pessoais que excluem a ideia de atentado contra o Estado de Cabo Verde", afirmou, em conferência de imprensa, o ministro, afastando também qualquer ligação do caso a situações de narcotráfico.

"Um soldado afeto ao próprio destacamento encontra-se desaparecido e há fortes indícios de que o mesmo esteja envolvido nos acontecidos", disse o governante.

No ataque, foram mortos nove militares e três técnicos de manutenção do posto, dois deles de nacionalidade espanhola.

Do local foram subtraídas nove espingardas e munições já recuperadas do interior de um automóvel, acrescentou o ministro.

Lusa

  • Pessoas encontradas mortas em Cabo Verde foram atingidas por disparos de AKM
    3:00

    Mundo

    Onze pessoas foram hoje encontradas mortas num posto militar na ilha cabo-verdiana de Santiago, um soldado continua desaparecido. Entre os mortos estão dois militares do posto, seis soldados, um cabo-verdiano e dois civis de nacionalidade espanhola. Segundo a polícia, as vítimas terão sido atingidas por disparos de AKM (versão da espingarda automática kalashnikov) usadas pelas Forças Armadas de Cabo Verde. Cristina Ferreira, jornalista da Agência Lusa, está a acompanhar os últimos acontecimentos.

  • Desespero e euforia marcaram o 8.º dia de Mundial
    0:50
  • Comprava uma bola de futebol com 9 mil cristais Swarovski?
    2:51
  • Lisboa vence prémio Capital Europeia Verde de 2020

    País

    A cidade de Lisboa venceu o prémio de Capital Europeia Verde de 2020, anunciou o comissário da União Europeia para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, numa cerimónia que decorreu em Nijmegen, na Holanda.

  • Trump culpa democratas pela separação de pais e filhos
    0:22