sicnot

Perfil

Mundo

Níger, Mali e Burkina Faso são os países com mais casamentos forçados

O Níger, o Mali e o Brukina Faso são os países da África ocidental com mais casos de casamentos forçados e precoces, segundo um relatório da Amnistia Internacional sobre a situação no Burkina Faso divulgado hoje.

© Sukree Sukplang / Reuters

"O Níger é o país onde há a taxa mais alta de casamentos forçados e precoces na África ocidental. Segue-se o Mali e depois o Burkina Faso", disse à imprensa Gaëton Mootoo, investigador da organização e autor do relatório publicado em Ouagadougou, capital do Burkina Faso.

A nível mundial, o Burkina Faso está entre os 10 países com mais casos.

Segundo o relatório, uma em cada duas mulheres no país casa-se antes dos 18 anos e mais de metade (51,3%) das raparigas entre os 15 e os 17 anos são casadas, mas registam-se casos de casamentos forçados envolvendo meninas de 11 anos.

O investigador explicou que as famílias casam as filhas para "reforçar alianças familiares, adquirir estatuto social ou em troca de bens, dinheiro ou serviços".

O relatório refere também a prática em certas regiões do "Pog-lenga", que significa "mulher bónus", em que a nova mulher leva consigo para a casa do marido uma sobrinha, para ser oferecida em casamento.

A Amnistia Internacional recolheu testemunhos de dezenas de raparigas obrigadas a casar por familiares, muitas vezes pelos pais.

"As jovens resistem cada vez mais a estes casamentos precoces e forçados e, o que é encorajador, são apoiadas pelas mães, que muitas vezes passaram pela mesma situação e querem evitá-la às filhas. Mas os homens pressionam as mulheres para que obriguem as filhas a aceitar marido", explicou Mootoo.

"É essencial que o governo do Burkina Faso respeite o direito das jovens raparigas a tomar as suas próprias decisões relativamente ao seu corpo, à sua vida e ao seu futuro", sublinhou o diretor da Amnistia para a África central e ocidental, o senegalês Alioune Tine.

Tine apelou ao novo governo do Burkina para respeitar os seus compromissos para a eliminação do casamento de crianças, num país onde sete em cada dez crianças não têm acesso à escola e onde quase metade (46%) dos 19 milhões de habitantes vive abaixo do limitar de pobreza.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.