sicnot

Perfil

Mundo

Níger, Mali e Burkina Faso são os países com mais casamentos forçados

O Níger, o Mali e o Brukina Faso são os países da África ocidental com mais casos de casamentos forçados e precoces, segundo um relatório da Amnistia Internacional sobre a situação no Burkina Faso divulgado hoje.

© Sukree Sukplang / Reuters

"O Níger é o país onde há a taxa mais alta de casamentos forçados e precoces na África ocidental. Segue-se o Mali e depois o Burkina Faso", disse à imprensa Gaëton Mootoo, investigador da organização e autor do relatório publicado em Ouagadougou, capital do Burkina Faso.

A nível mundial, o Burkina Faso está entre os 10 países com mais casos.

Segundo o relatório, uma em cada duas mulheres no país casa-se antes dos 18 anos e mais de metade (51,3%) das raparigas entre os 15 e os 17 anos são casadas, mas registam-se casos de casamentos forçados envolvendo meninas de 11 anos.

O investigador explicou que as famílias casam as filhas para "reforçar alianças familiares, adquirir estatuto social ou em troca de bens, dinheiro ou serviços".

O relatório refere também a prática em certas regiões do "Pog-lenga", que significa "mulher bónus", em que a nova mulher leva consigo para a casa do marido uma sobrinha, para ser oferecida em casamento.

A Amnistia Internacional recolheu testemunhos de dezenas de raparigas obrigadas a casar por familiares, muitas vezes pelos pais.

"As jovens resistem cada vez mais a estes casamentos precoces e forçados e, o que é encorajador, são apoiadas pelas mães, que muitas vezes passaram pela mesma situação e querem evitá-la às filhas. Mas os homens pressionam as mulheres para que obriguem as filhas a aceitar marido", explicou Mootoo.

"É essencial que o governo do Burkina Faso respeite o direito das jovens raparigas a tomar as suas próprias decisões relativamente ao seu corpo, à sua vida e ao seu futuro", sublinhou o diretor da Amnistia para a África central e ocidental, o senegalês Alioune Tine.

Tine apelou ao novo governo do Burkina para respeitar os seus compromissos para a eliminação do casamento de crianças, num país onde sete em cada dez crianças não têm acesso à escola e onde quase metade (46%) dos 19 milhões de habitantes vive abaixo do limitar de pobreza.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.