sicnot

Perfil

Mundo

Onze pessoas encontradas mortas em posto militar em Cabo Verde

O número de mortos encontrados hoje num posto militar na ilha cabo-verdiana de Santiago subiu de cinco para 11, depois de as autoridades policiais locais terem encontrado os corpos de mais seis soldados dentro de uma caserna.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Gomes, comandante adjunto da esquadra da Polícia Nacional de São Domingos, a norte da cidade da Praia, os seis soldados foram encontrados mortos numa caserna militar do posto de vigia de Monte Txota, próximo do principal centro de telecomunicações do país.

Segundo Francisco Gomes, há ainda um soldado desaparecido.

Antes, o comandante da polícia tinha dito à Lusa que cinco pessoas, incluindo dois estrangeiros, foram encontradas mortas no posto militar de vigia do Monte Txota.

Francisco Gomes adiantou que os cinco corpos foram encontrados por volta das 11:00 de hoje (13:00 em Lisboa) no posto militar Monte Txota, a cerca de 45 minutos da capital cabo-verdiana.

Entre os mortos, contam-se dois civis estrangeiros - um cidadão espanhol e outro cuja nacionalidade está ainda por confirmar, um civil cabo-verdiano e dois militares daquele posto.

Segundo o responsável da polícia, as vítimas terão sido atingidas por disparos de AKM (versão da espingarda automática kalashnikov), arma usada pelas forças armadas de Cabo Verde.

No local, encontram-se elementos da Polícia Judiciária, Polícia Militar, Bombeiros e Polícia Nacional, que estão a investigar o que poderá estar na origem das mortes.

Uma testemunha ouvida pela agência Lusa e que não quis ser identificada, disse que na segunda-feira viu um carro com turistas a subir em direção ao local, o que não estranhou por se tratar de um local turístico.

A imprensa cabo-verdiana, citando fontes policiais, noticiou que a viatura em causa foi encontrada abandonada na zona da Cidadela, arredores da capital de Cabo Verde, tendo no interior uma arma AKM.

Lusa

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.