sicnot

Perfil

Mundo

China nega que escola onde quase 500 alunos adoeceram esteja contaminada

As autoridades chinesas garantiram hoje que a qualidade do ar e da água de uma escola onde centenas de alunos revelaram problemas de saúde, "é normal", apesar da proximidade desta a uma antiga zona industrial.

© Jianan Yu / Reuters

A conclusão é de uma análise preliminar à zona onde está instalada a Escola de Línguas Estrangeiras de Changzhou, região oeste da China, levada a cabo por entidades do Governo local e central.

Os pais dos 493 alunos afetados, alguns com doenças graves, como leucemia e linfoma, queixam-se que o surto de doenças surgiu após a escola ter sido deslocada para uma área adjacente a antigas fábricas de produtos químicos.

Segundo uma reportagem anteriormente divulgada pela televisão estatal CCTV, a construção da escola começou sete meses antes da evacuação daquelas instalações ter sido concluída.

A mesma fonte revelou a presença de metais pesados e compostos orgânicos tóxicos no solo e nas águas subterrâneas, além de níveis de uma substância cancerígena quase 100.000 vezes superior ao máximo recomendado.

Três décadas de crescimento industrial rápido e desenfreado têm custado caro ao ambiente na China, cujos líderes têm estado preocupados com o crescente número de protestos motivados pela degradação ambiental.

A escola começou a funcionar em 2014 e conta atualmente com 2.541 alunos inscritos.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".