sicnot

Perfil

Mundo

Não tem um neurónio e já é excelente aluno

Não tem um único neurónio mas é capaz de aprender: um organismo vivo constituído por uma única célula mostrou que consegue tirar lições de experiências para se alimentar sem riscos.

"É a primeira vez que vemos um organismo unicelular capaz de aprender", declarou à agência France Press Romain Boisseau, investigador em Biologia e coautor de um estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.

"Tal vem provar que a aprendizagem não precisa necessariamente de um sistema nervoso", acrescentou Audrey Dussutour, investigadora no Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS).

O herói deste estudo é Physarum polycephalum. Vive nos bosques das regiões temperadas, parece um cogumelo amarelo. Mas não é um cogumelo. É um bolor gelatinoso.

Primo afastado das plantas, dos cogumelos e dos animais, apareceu na Terra cerca de 500 milhões de anos antes do Homem. É constituído por uma única célula, tem milhões de núcleos e pode cobrir superfícies de vários metros quadrados com as suas extensões - pseudópodes [prolongamento protoplasmático de certas células, utilizado para a locomoção]. É capaz de se deslocar a uma velocidade de 5 centímetros por hora para encontrar alimento.

Os investigadores chamam-lhe "o blob" dado que não tem forma definida como a massa alienígena do filme norte-americano de 1958 que devora tudo à sua passagem, incluindo seres humanos. Este último alimento não faz parte da dieta de Physarum polycephalum, que prefere bactérias e cogumelos.

Mas também gosta muito de aveia. E é aqui que começa a experiência.

Durante nove dias, os cientistas confrontaram vários grupos de Physarum polycephalum com substâncias amargas mas inofensivas que eles deviam atravessar para chegar ao seu alimento - flocos de aveia.

Um dos grupos tinha de atravessar quinino, outro cafeína, só o percurso do terceiro grupo, o de controlo, não tinha qualquer substância. Ao início, os Physarum polycephalum estavam reticentes em atravessar o quinino e a cafeína. Desconfiados, avançaram apenas com uma fina extensão, para limitar o contacto com as substâncias, que julgaram perigosas. Demoraram várias horas até alcançar o alimento.

Ao fim de uns dias, perceberam que as substâncias eram inofensivas e atravessavam-nas cada vez mais rapidamente. Ao final de seis dias o percurso foi feito da mesma forma que o grupo de controlo já fazia porque não tinha de passar por nenhuma substância.

Os cientistas chamam a este fenómeno "habituação". "Trata-se de um processo de aprendizagem simples que consiste em habituar-se a um estímulo que aparece várias vezes", explicou Audrey Dussutou. Se alguém nos sopra nos olhos, fechamo-los. Mas se o fizerem várias vezes, acabamos por não fechar os olhos porque percebemos que não representa perigo.

Toda a "habituação" é seguida de esquecimento caso o estímulo não seja repetido durante algum tempo. Assim, dois dias depois sem contacto com alguma das substâncias amargas, os Physarum polycephalum voltaram a desconfiar do quinino e da cafeína.

Esta forma de aprendizagem - bastante comum entre os animais - ainda não tinha sido observada num organismo unicelular. Esta descoberta vem assim colocar a questão sobre a capacidade de aprendizagem de seres extremamente simples.

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.