sicnot

Perfil

Mundo

Polícia identifica mais uma provável vítima de Charles Manson, 46 anos depois

A polícia de Los Angeles identificou o corpo da mulher encontrado perto da mansão de Charles Manson em 1969, que era apenas conhecida como "Maria de Ninguém #59" ("Jane Doe #59" em inglês).

people.com

Reet Jurvetson era uma jovem canadiana de 19 anos de Montreal que tinha mudado para Los Angeles nesse ano, revelou 46 anos depois a polícia de Los Angeles à revista People. O detetive Luis Rivera, especialista em casos arquivados, diz que os investigadores ainda não consigaram determinar se a sua morte está ou não relacionada com Charles Manson, mas que há grande probabilidade.

A 16 de novembro de 1969, a jovem foi encontrada morta com 150 golpes de faca no pescoço, sem identificação, perto da casa onde ocorreu o massacre, em Mulholland Drive. Três meses antes, a atriz Sharon Tate, mulher do realizador Roman Polanski de quem estava grávida, e várias outras pessoas foram mortas pela Família Manson.

A identidade da jovem permaneceu um mistério durante todos estes anos. Em junho do ano passado, a irmã reconheceu-a quando viu uma fotografia na Internet. Ao analisar o ADN de ambas identificaram-nas como irmãs.

Em entrevista à People, Anne Jurvetson contou que a adolescente "de espírito livre e feliz" tinha resolvido ir para Los Angeles atrás de uma paixão, apenas conhecido por John. Depois de chegar enviou um postal aos pais em Montreal a dizer que tinha encontrado um apartamento e que estava feliz e nunca mais disse nada. Os pais nunca a deram como desaparecida porque "acreditavam que estava a viver a sua vida em algum lugar e que algum dia teriam notícias dela", contou Anne Jurvetson.

O detetive garante que a polícia vai desvendar o caso. "ninguém merece aquilo que lhe aconteceu. É nosso dever encontrar o culpado e levá-lo perante a Justiça", afirmou Luis Rivera. O detetive e a colega Veronica Conrado interrogaram Charles Manson em outubro passado na prisão Corcoran, mas nada lhes revelou sobre esta jovem.

Charles Milles Maddox nasceu em Cincinnati a 12 de novembro de 1934. Foi líder de um grupo que ficou conhecido como "A família Manson" que cometeu vários assassínios nos Estados Unidos no fim dos anos 1960. Manson foi condenado à morte em 1971, tendo posteriormente a pena sido trasnformada em prisão perpétua, que ainda cumpre.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.