sicnot

Perfil

Mundo

Prazo para partidos espanhóis chegarem a acordo termina hoje às 15:00

Os partidos políticos em Espanha têm até 15:00 (em Lisboa) para chegar a um acordo "de última hora" que evite a realização de novas legislativas, mas as principais formações consideram inevitável uma ida às urnas.

© Andrea Comas / Reuters

O presidente da Mesa do Congresso dos Deputados, o socialista Patxi López, referiu na terça-feira que o prazo limite das 16:00 (em Espanha) de hoje para a convocatória de um plenário de investidura. De acordo com a Constituição espanhola, os deputados têm dois meses a contar desde a primeira sessão de investidura para eleger um presidente do Governo.

A 02 de março, o secretário-geral do PSOE e candidato socialista, Pedro Sánchez, submeteu-se a uma sessão de investidura - após convite do rei Felipe VI - e perdeu as duas votações (na primeira teria de ser eleito por maioria absoluta e na segunda, 48 horas depois, apenas precisava de maioria simples).

Assim, a 02 de maio - próxima segunda-feira - cumprem-se os dois meses indicados na Constituição. No mesmo dia, o presidente da Mesa do Congresso elabora um decreto de dissolução das Cortes Gerais (Congresso e Senado), esse documento é publicado no Boletim Oficial do Estado no dia seguinte e 54 dias depois (de acordo com a lei eleitoral), a 26 de junho, realizam-se novas eleições.

O prazo das 16:00 de hoje surge porque depois dessa hora não haverá tempo para convocar um plenário de investidura com tempo suficiente para duas votações. Em primeiro lugar porque se dá 48 horas entre a convocatória do plenário e a realização do mesmo e depois porque uma investidura pode ter duas votações (e entre as duas votações tem de haver outro intervalo de 48 horas).

Apesar de a Constituição espanhola ser bastante omissa quanto a estes procedimentos em caso de uma investidura falhada - inédita na democracia espanhola - os constitucionalistas defendem que o Chefe de Estado - o rei Felipe VI - ainda teria de fazer uma "consulta expresso" aos partidos e convidar um candidato a apresentar-se a votos.

Outros constitucionalistas defendem que um acordo "em contra-relógio" poderia ser votado no próprio dia em que acaba o prazo, 02 de maio, tal como aconteceu em Novembro na Catalunha. Nas eleições para o governo regional, o atual presidente - Carles Puigdemont - foi escolhido a poucas horas do limite.

"Materialmente, seria possível convocar um plenário de investidura mesmo na segunda-feira, 02 de maio", consideraram os professores de Direito Constitucional da Universitat de Barcelona (UB) Joan Vintró e Josep Maria Reniu, citados pelo jornal La Vanguardia.

Por razões excecionais, explicou Joan Vintró, catedrático de Dereito Constitucional, "a presidência da Mesa pode convocar o plenário de urgência", referindo-se ao primeiro prazo de 48 horas. Por outro lado, caso se perspetive uma maioria absoluta (pelo menos 176 deputados) - algo que apenas um acordo PP com PSOE ou uma união de toda a esquerda com os nacionalistas bascos - uma única sessão plenária bastaria, acrescentou Josep Maria Reniu.

Mais difícil seria concertar os tempos de intervenção de todos os intervenientes no plenário a tempo de respeitar o prazo limite (meia-noite de 02 de maio).

Ainda assim, os líderes dos principais partidos - PP, PSOE, Podemos e Ciudadanos - já indicaram que Espanha caminha para novas eleições, ainda que alguns deles tenham ressalvado "a remota hipótese de uma surpresa".

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52