sicnot

Perfil

Mundo

Tentativa de pilhagem obriga comerciantes a encerrar estabelecimentos na Venezuela

Dezenas de comerciantes encerram esta quarta-feira as portas dos seus estabelecimentos comerciais na localidade venezuelana de Los Teques, a sul de Caracas, depois que um grupo de mais de cem pessoas tentar pilhar um supermercado.

© Marco Bello / Reuters

Segundo fontes da comunidade portuguesa local, a tentativa de pilhagem ocorreu depois da chegada de produtos de primeira necessidade que entretanto se esgotaram.

As páginas da imprensa local na Internet dão conta que várias cidadãos ficaram feridos e que mais de 50 pessoas foram detidas pelas autoridades por oficiais da Polícia Municipal e da Guarda Nacional (polícia militar) que se mantêm na zona para evitar novas tentativas de pilhagem.

Por outro lado, na localidade de Bello Campo (leste de Caracas) ocorreu hoje uma tentativa de pilhagem de uma sucursal da rede de supermercados Central Madeirense, propriedade de portugueses radicados na Venezuela.

A tentativa de pilhagem ocorreu depois de várias pessoas tentarem ocupar o lugar de cidadãos que faziam uma fila para comprar produtos.

Dezenas de oficiais da Polícia Nacional Bolivariana e da Guarda Nacional (polícia militar), com equipamento anti-motins, controlaram a situação, permanecendo no local para impedir novas situações irregulares.

Ainda em Caracas, na localidade de Cátia (oeste) vários comerciantes encerraram os seus estabelecimentos depois de vários cidadãos tentarem pilhar pelo menos uma loja.

Residentes no Boulevard de Cátia dão conta de que, após a tentativa de pilhagem, apareceram dezenas de motociclistas armados, que trocaram disparos com funcionários da Polícia Nacional Bolivariana, ocasionando alguns feridos.

As autoridades desalojaram os estudantes de várias escolas.

Por outro lado, na cidade venezuelana de Maracaibo (a oeste do país), segundo o secretário de Segurança do Estado venezuelano de Zúlia, Biagi Parisi, mais de 70 estabelecimentos comerciais foram afetados pelos protestos e pilhagens registados desde a noite de terça-feira.

Fontes não oficiais dão conta que de 73 estabelecimentos comerciais afetados, 24 foram pilhados na totalidade, tendo os manifestantes incendiado duas camiões, no âmbito de protestos contra o racionamento de energia elétrica e a escassez de produtos básicos.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.