sicnot

Perfil

Mundo

Ex-comandante do "Costa Concordia" ausente do início do julgamento de recurso

O julgamento de recurso de Francesco Schettino começou hoje em Florença (Itália), mas sem a presença do ex-comandante do "Costa Concordia", condenado em primeira instância a 16 anos de prisão pelo naufrágio do paquete que fez 32 mortos.

© Max Rossi / Reuters

Schettino, apelidado pela imprensa italiana de "capitão cobarde", alegou "motivos pessoais" para justificar a ausência nesta primeira audiência, focada essencialmente nos procedimentos do julgamento.

O ex-comandante do navio de cruzeiro "Costa Concordia", que naufragou ao largo da ilha italiana de Giglio em janeiro de 2012, é o único acusado do processo.

Em fevereiro de 2015, Schettino, de 55 anos, foi condenado a 16 anos e um mês de prisão por homicídio e abandono de navio.

O antigo comandante, que ainda não começou a cumprir a sentença, contestou a decisão do tribunal de primeira instância, argumentando que outros deveriam assumir a culpa pelo acidente.

Schettino argumenta que foi transformado num "bode expiatório" pelas autoridades e deseja reverter a condenação neste julgamento de recurso, que deverá prolongar-se, pelo menos, durante o mês de maio.

"Pedimos que sejam redefinidas as responsabilidades de todos os protagonistas deste caso, e não apenas do nosso cliente", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, um dos dois advogados do ex-comandante, Donato Laino, que reclama a absolvição de Schettino.

Donato Laino defende a figura de "acidente organizacional", envolvendo desta forma a operadora de cruzeiros Costa, mas também os responsáveis do porto de Civitavecchia e o timoneiro indonésio do navio.

A acusação também recorreu da sentença de fevereiro de 2015. O representante do procurador de Florença, Giancarlo Ferrucci, pediu hoje um agravamento da pena de prisão, para 27 anos e três meses.

Na noite de 13 para 14 de janeiro de 2012, o "Costa Concordia" (grupo Carnival), um paquete de 114.500 toneladas, embateu contra rochas e encalhou ao largo da ilha de Giglio, na Toscana, com 4.229 pessoas a bordo, incluindo 3.200 turistas.

A decisão de Francesco Schettino de abandonar o navio, antes dos últimos passageiros, chocou a Itália e o mundo.

Durante o primeiro julgamento, Schettino alegou ter caído num bote salva-vidas que o levou para terra e que não conseguiu regressar ao paquete.

Os destroços do navio de cruzeiro, em parte submersos, só seriam retirados e rebocados em julho de 2014 para o porto de Génova para serem desmantelados.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.