sicnot

Perfil

Mundo

Ex-comandante do "Costa Concordia" ausente do início do julgamento de recurso

O julgamento de recurso de Francesco Schettino começou hoje em Florença (Itália), mas sem a presença do ex-comandante do "Costa Concordia", condenado em primeira instância a 16 anos de prisão pelo naufrágio do paquete que fez 32 mortos.

© Max Rossi / Reuters

Schettino, apelidado pela imprensa italiana de "capitão cobarde", alegou "motivos pessoais" para justificar a ausência nesta primeira audiência, focada essencialmente nos procedimentos do julgamento.

O ex-comandante do navio de cruzeiro "Costa Concordia", que naufragou ao largo da ilha italiana de Giglio em janeiro de 2012, é o único acusado do processo.

Em fevereiro de 2015, Schettino, de 55 anos, foi condenado a 16 anos e um mês de prisão por homicídio e abandono de navio.

O antigo comandante, que ainda não começou a cumprir a sentença, contestou a decisão do tribunal de primeira instância, argumentando que outros deveriam assumir a culpa pelo acidente.

Schettino argumenta que foi transformado num "bode expiatório" pelas autoridades e deseja reverter a condenação neste julgamento de recurso, que deverá prolongar-se, pelo menos, durante o mês de maio.

"Pedimos que sejam redefinidas as responsabilidades de todos os protagonistas deste caso, e não apenas do nosso cliente", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, um dos dois advogados do ex-comandante, Donato Laino, que reclama a absolvição de Schettino.

Donato Laino defende a figura de "acidente organizacional", envolvendo desta forma a operadora de cruzeiros Costa, mas também os responsáveis do porto de Civitavecchia e o timoneiro indonésio do navio.

A acusação também recorreu da sentença de fevereiro de 2015. O representante do procurador de Florença, Giancarlo Ferrucci, pediu hoje um agravamento da pena de prisão, para 27 anos e três meses.

Na noite de 13 para 14 de janeiro de 2012, o "Costa Concordia" (grupo Carnival), um paquete de 114.500 toneladas, embateu contra rochas e encalhou ao largo da ilha de Giglio, na Toscana, com 4.229 pessoas a bordo, incluindo 3.200 turistas.

A decisão de Francesco Schettino de abandonar o navio, antes dos últimos passageiros, chocou a Itália e o mundo.

Durante o primeiro julgamento, Schettino alegou ter caído num bote salva-vidas que o levou para terra e que não conseguiu regressar ao paquete.

Os destroços do navio de cruzeiro, em parte submersos, só seriam retirados e rebocados em julho de 2014 para o porto de Génova para serem desmantelados.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.