sicnot

Perfil

Mundo

Filtro do Snapchat acusado de ser culpado de acidente de viação

Os advogados de um homem que ficou com danos cerebrais permanentes após um acidente de carro estão a processar o condutor e o Snapchat. Alegam que o filtro da aplicação que regista a velocidade foi o "culpado" do acidente.

O carro de Christal McGee após a colisão com o de Wentworth Maynard.

O carro de Christal McGee após a colisão com o de Wentworth Maynard.

Law Office of Michael L. Neff

Em setembro do ano passado, Christal McGee, na altura menor de 18 anos, conduzia um Mercedes Benz enquanto usava o Snapchat. Primeiro publicou uma imagem em que seguia a 128 km/h, acelerou para os 145 km/h e continuou a acelerar até ultrapassar os 160 km/h, alegam os advogados da vítima Wentworth Maynard.

O filtro do Snapchat "Speed Filter" recompensa com pontos os utilizadores que publiquem fotos a mostrar a velocidade a que vão. Quando Christal McGee atingiu o carro de Maynard, ficou registado que ía a uma velocidade de 172 km/h numa avenida de Clayton County, Georgia, onde o limite de velocidade é de 88 km/h.

Wentworth Maynard ficou internado nos cuidados intensivos durante cinco semanas e sofreu graves lesões cerebrais. Deixou de poder trabalhar e de cuidar de si próprio, sublinham os advogados.

"A questão prende-se com o Snapchat encorajar os adolescentes a conduzirem a altas velocidades para dar estatuto social", acusa o advogado Michael Lawson Neff, em declarações à NBC, acrescentando que nem Christal McGee nem o Snapchat responderam ainda ao processo judicial.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.