sicnot

Perfil

Mundo

Japão abandona procura por satélite enviado para estudar buracos negros

A agência de exploração espacial japonesa Jaxa anunciou hoje que abandonou a procura pelo satélite 'Hitomi', enviado para o espaço para estudar buracos negros, após um mês de esforços para tentar salvar o projeto.

Hitomi está perdido no espaço

Hitomi está perdido no espaço

jaxa

O satélite de alta-tecnologia "Hitomi" - "olho" em japonês - foi lançado em fevereiro para observar raios-x emanados por buracos negros e por conjuntos de galáxias mas o aparelho deixou de responder no final de março passado por ausência de energia na bateria, segundo a Jaxa, citada pela agência France-Presse.

"Julgamos que o satélite está agora num estado que não deixa esperanças de recuperar as suas funções," explicou o alto responsável da Jaxa, Saku Tsuneta, em conferência de imprensa.

O 'Hitomi' foi desenvolvido através da colaboração de 70 instituições japonesas, a agência espacial americana, NASA, e a agência europeia, a ESA.

Os engenheiros da organização, com a ajuda de técnicos norte-americanos e de outros países, tinham até agora utilizado importantes meios para conhecer as razões da falha e analisaram a forma de eventualmente restabelecer a comunicação com o satélite.

A Jaxa disse que era muito provável que os painéis solares que dão energia à bateria do satélite se tenham separado do aparelho.

"[O satélite] analisou mal o seu próprio estado e tentou retificar, mas começou a girar anormalmente e perdeu painéis solares e aparentemente outras peças," especificou o diretor do programa, Takashi Kubota.

O satélite, com 14 metros de comprimento, 9 de largura e com um peso de 1,7 toneladas, transportava 200 espelhos de recolha e concentração de raios-x, redirecionando-os para instrumentos de última geração, entre os quais quatro telescópios e dois detetores de raios-x.

A perda do aparelho foi uma deceção tanto para o Japão como para astrónomos estrangeiros ."Pedimos desculpa por não conseguir responder às [vossas] expetativas," lamentou Tsuneta.

O projeto custou 31 mil milhões de ienes (cerca de 248 milhões de euros) e foi pensado para trazer respostas inéditas às questões fundamentais do universo sobre, por exemplo, as leis da física em condições extremas, a criação do universo, a formação e evolução de galáxias ou ainda o crescimento dos buracos negros e a influência que têm à volta deles.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC