sicnot

Perfil

Mundo

Japão abandona procura por satélite enviado para estudar buracos negros

A agência de exploração espacial japonesa Jaxa anunciou hoje que abandonou a procura pelo satélite 'Hitomi', enviado para o espaço para estudar buracos negros, após um mês de esforços para tentar salvar o projeto.

Hitomi está perdido no espaço

Hitomi está perdido no espaço

jaxa

O satélite de alta-tecnologia "Hitomi" - "olho" em japonês - foi lançado em fevereiro para observar raios-x emanados por buracos negros e por conjuntos de galáxias mas o aparelho deixou de responder no final de março passado por ausência de energia na bateria, segundo a Jaxa, citada pela agência France-Presse.

"Julgamos que o satélite está agora num estado que não deixa esperanças de recuperar as suas funções," explicou o alto responsável da Jaxa, Saku Tsuneta, em conferência de imprensa.

O 'Hitomi' foi desenvolvido através da colaboração de 70 instituições japonesas, a agência espacial americana, NASA, e a agência europeia, a ESA.

Os engenheiros da organização, com a ajuda de técnicos norte-americanos e de outros países, tinham até agora utilizado importantes meios para conhecer as razões da falha e analisaram a forma de eventualmente restabelecer a comunicação com o satélite.

A Jaxa disse que era muito provável que os painéis solares que dão energia à bateria do satélite se tenham separado do aparelho.

"[O satélite] analisou mal o seu próprio estado e tentou retificar, mas começou a girar anormalmente e perdeu painéis solares e aparentemente outras peças," especificou o diretor do programa, Takashi Kubota.

O satélite, com 14 metros de comprimento, 9 de largura e com um peso de 1,7 toneladas, transportava 200 espelhos de recolha e concentração de raios-x, redirecionando-os para instrumentos de última geração, entre os quais quatro telescópios e dois detetores de raios-x.

A perda do aparelho foi uma deceção tanto para o Japão como para astrónomos estrangeiros ."Pedimos desculpa por não conseguir responder às [vossas] expetativas," lamentou Tsuneta.

O projeto custou 31 mil milhões de ienes (cerca de 248 milhões de euros) e foi pensado para trazer respostas inéditas às questões fundamentais do universo sobre, por exemplo, as leis da física em condições extremas, a criação do universo, a formação e evolução de galáxias ou ainda o crescimento dos buracos negros e a influência que têm à volta deles.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.