sicnot

Perfil

Mundo

Japão abandona procura por satélite enviado para estudar buracos negros

A agência de exploração espacial japonesa Jaxa anunciou hoje que abandonou a procura pelo satélite 'Hitomi', enviado para o espaço para estudar buracos negros, após um mês de esforços para tentar salvar o projeto.

Hitomi está perdido no espaço

Hitomi está perdido no espaço

jaxa

O satélite de alta-tecnologia "Hitomi" - "olho" em japonês - foi lançado em fevereiro para observar raios-x emanados por buracos negros e por conjuntos de galáxias mas o aparelho deixou de responder no final de março passado por ausência de energia na bateria, segundo a Jaxa, citada pela agência France-Presse.

"Julgamos que o satélite está agora num estado que não deixa esperanças de recuperar as suas funções," explicou o alto responsável da Jaxa, Saku Tsuneta, em conferência de imprensa.

O 'Hitomi' foi desenvolvido através da colaboração de 70 instituições japonesas, a agência espacial americana, NASA, e a agência europeia, a ESA.

Os engenheiros da organização, com a ajuda de técnicos norte-americanos e de outros países, tinham até agora utilizado importantes meios para conhecer as razões da falha e analisaram a forma de eventualmente restabelecer a comunicação com o satélite.

A Jaxa disse que era muito provável que os painéis solares que dão energia à bateria do satélite se tenham separado do aparelho.

"[O satélite] analisou mal o seu próprio estado e tentou retificar, mas começou a girar anormalmente e perdeu painéis solares e aparentemente outras peças," especificou o diretor do programa, Takashi Kubota.

O satélite, com 14 metros de comprimento, 9 de largura e com um peso de 1,7 toneladas, transportava 200 espelhos de recolha e concentração de raios-x, redirecionando-os para instrumentos de última geração, entre os quais quatro telescópios e dois detetores de raios-x.

A perda do aparelho foi uma deceção tanto para o Japão como para astrónomos estrangeiros ."Pedimos desculpa por não conseguir responder às [vossas] expetativas," lamentou Tsuneta.

O projeto custou 31 mil milhões de ienes (cerca de 248 milhões de euros) e foi pensado para trazer respostas inéditas às questões fundamentais do universo sobre, por exemplo, as leis da física em condições extremas, a criação do universo, a formação e evolução de galáxias ou ainda o crescimento dos buracos negros e a influência que têm à volta deles.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.