sicnot

Perfil

Mundo

Albinos do Malaui podem desaparecer devido a feitiçaria, alerta perita da ONU

Os 10.000 albinos do Malaui estão ameaçados de desaparecimento se continuarem a serem mortos por causa dos seus membros e ossos, utilizados em rituais de feitiçaria, alertou hoje uma especialista da ONU.

© Kena Betancur / Reuters

Os albinos são "um grupo em perigo, ameaçado de desaparecimento metódico se nada for feito para acabar com as atrocidades" de que são vítimas, disse Ikponwosa Ero numa conferência de imprensa em Lilongwe, no final da sua missão de 12 dias no Malaui, pequeno país da África Austral.

A situação dos albinos "constitui uma emergência, uma crise preocupante tendo em conta as suas proporções", adiantou.

A conferência de imprensa ocorreu no mesmo dia em que um tribunal do Malaui condenou a 17 anos de prisão dois homens detidos na semana passada pelo assassinato de uma mulher albina de 21 anos.

"Os dois homens declararam-se culpados", indicou à agência France Presse o porta-voz da polícia, Kondwani Kandiado.

Segundo a mesma fonte, Gerald Phiri, tio da vítima, e o seu cúmplice Medson Madzialenga afirmaram no tribunal que "acusavam Satanás pelo seu gesto" e que "pediam clemência".

Ikponwosa Ero, uma nigeriana albina e perita do Conselho dos Direitos Humanos sobre o assunto, afirmou que a polícia do Malaui registou 65 agressões, raptos ou assassínios de albinos desde o final de 2014.

Em vários países da África subsaariana os membros e ossos de albinos são utilizados por rituais que se acredita trazerem riqueza e poder.

Segundo a especialista, os albinos "nem sequer estão em paz quando estão mortos, pois os seus túmulos são profanados".

"O Malaui é um dos países mais pobres do mundo e a venda de órgãos de albinos parece muito lucrativa", assinalou, acrescentando que a "vontade política" de resolver o problema "tem falta de resultados".

O albinismo, doença genética hereditária que se traduz por uma ausência de pigmentação na pele, pelos e íris, afeta cerca de uma em cada 1.200 pessoas no Malaui.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.