sicnot

Perfil

Mundo

Maduro anuncia decreto que anula decisões do Parlamento venezuelano

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje que vai emitir, nas próximas horas, um "decreto especial de emergência" para deixar sem efeito decisões que tome o Parlamento venezuelano, onde a oposição é maioria.

Fernando Llano

"Vamos fazer um decreto especial de emergência", disse.

Nicolás Maduro reagia à aprovação, na quinta-feira, de uma moção de censura do parlamento venezuelano contra o atual ministro de Alimentação, Rodolfo Marco Torres, que, segundo a Constituição da Venezuela, obriga o chefe de Estado a removê-lo do cargo.

"Vamos verificar esses artigos da Constituição, para fazer um decreto, no quadro do decreto com vigor constitucional (de emergência nacional) que emiti em janeiro, para deixar sem efeito, constitucionalmente, enquanto durar a emergência económica, qualquer sabotagem que a Assembleia faça contra qualquer ministro, instituição ou órgão do poder popular", disse.

A moção foi aprovada por o ministro não ter comparecido perante aquele organismo para dar explicações sobre a escassez de produtos básicos no país.

Nicolás Maduro falava durante um ato no estado de Anzoátegui, a leste de Caracas. "Não podemos tolerar numa sabotagem" do parlamento, frisou.

"A Assembleia Nacional não semeou nem semeia nem um tomate. Não fez nada para acabar com as filas (de cidadãos à procura de produtos escassos) nem para tratar de me ajudar neste tremendo esforço" para superar a crise, quando o petróleo caiu de 100 para 30 dólares e para manter um país com educação pública, saúde pública, habitações sociais" e garantir que "ninguém para o trabalho, os salários, as pensões", disse.

O chefe de Estado criticou ainda o parlamento por não acatar o decreto presidencial que obriga os serviços públicos a paralisarem as atividades às quartas, quintas e sextas-feiras, para contribuir com a poupança de energia elétrica no país e reduzir a descida do nível de água das barragens, na sequência da seca provocada pelo fenómeno El Niño.

"Nas horas em que estejamos em poupança elétrica, vou mandar cortar a luz ao parlamento", disse Nicolás Maduro em resposta a um mensagem publicada no Twitter do presidente do parlamento, Henry Ramos Allup, que afirmou que na Assembleia Nacional trabalhar-se-á de segunda a sexta-feira.

"O decreto de vadiagem ditado pelo regime não nos parará", escreveu.

Lusa

  • Nicolas Maduro diz que ficará no poder até ao fim do mandato
    1:06

    Mundo

    O Presidente da Venezuela desvaloriza a convulsão social no país e garante que se mantém no poder. Esta quarta-feira registaram-se distúrbios e pilhagens em várias localidades, devido à escassez de alimentos. Milhares de pessoas passaram horas em filas para assinar um documento a exigir um referendo que revogue o mandato do Nicolas Maduro. A grave crise económica no país está a ser agravada pela crise energética.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38