sicnot

Perfil

Mundo

Pyongyang condena alegado espião norte-americano a 10 anos de trabalhos forçados

Kim Dong-chul, de 62 anos, foi detido em outubro e terá, de acordo com as autoridades norte-coreanas, confessado que trabalhava para os serviços secretos da Coreia do Sul. A confissão terá acontecido na presença de jornalistas.

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KYODO Kyodo / Reuters

Já antes de ser conhecido este caso, Washington acusou Pyongyang de usar os seus cidadãos como armas secretas no confronto diplomático. A Coreia do Norte rejeitou a acusação.

Quando foi conhecida a detenção de Kim Dong-chul, o Departamento de Estado dos EUA recusou comentar publicamente este, ou qualquer outro caso de detenções de cidadãos norte-americanos, para não perturbar o processo de negociação que visava a libertação.

Agora, chega a notícia de que as autoridades norte-coreanas condenaram Kim Dong-chul por espionagem, obrigando-o a 10 anos de trabalhos forçados.

Kim Dong-chul, de 62 naos, nasceu na Coreia do Sul, mas obteve a cidadania norte-americana.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão