sicnot

Perfil

Mundo

Pyongyang condena alegado espião norte-americano a 10 anos de trabalhos forçados

Kim Dong-chul, de 62 anos, foi detido em outubro e terá, de acordo com as autoridades norte-coreanas, confessado que trabalhava para os serviços secretos da Coreia do Sul. A confissão terá acontecido na presença de jornalistas.

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KCNA KCNA / Reuters

© KYODO Kyodo / Reuters

Já antes de ser conhecido este caso, Washington acusou Pyongyang de usar os seus cidadãos como armas secretas no confronto diplomático. A Coreia do Norte rejeitou a acusação.

Quando foi conhecida a detenção de Kim Dong-chul, o Departamento de Estado dos EUA recusou comentar publicamente este, ou qualquer outro caso de detenções de cidadãos norte-americanos, para não perturbar o processo de negociação que visava a libertação.

Agora, chega a notícia de que as autoridades norte-coreanas condenaram Kim Dong-chul por espionagem, obrigando-o a 10 anos de trabalhos forçados.

Kim Dong-chul, de 62 naos, nasceu na Coreia do Sul, mas obteve a cidadania norte-americana.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51