sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 80% da população síria vive abaixo da linha da pobreza

Mais de 80% da população síria vive abaixo da linha da pobreza, segundo o estudo "Guerra na Síria", publicado esta semana pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Universidade St. Andrews, na Escócia.

Grupo de pessoas espera por autorização para passar a fronteira entre da Síria com a Turquia.

Grupo de pessoas espera por autorização para passar a fronteira entre da Síria com a Turquia.

© Ammar Abdullah / Reuters

A Síria, um território de 185.180 quilómetros quadrados, é, há cinco anos, devastada por uma guerra civil.

A pobreza cresceu devido à sangrenta guerra que custou a vida a mais de 270.000 pessoas desde 2011, revela o documento que foi elaborado pela Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental das Nações Unidas (ESCWA) e o Centro de Estudos Sírios de St, Andrews, citado pela agência noticiosa France-Presse.

Segundo o documento, 83,4% da população vive atualmente abaixo da linha de pobreza, contra apenas 28% antes do conflito.

Em finais do ano passado, 13,5 milhões de pessoas, incluindo seis milhões de crianças, necessitavam de ajuda humanitária, contra um milhão em junho de 2012. Dos 13,5 milhões, mais de quatro milhões vivem em Damasco e em Aleppo, a segunda cidade do país.

O acesso da população à Educação desceu de 95% para 75%, devido à destruição de escolas e à falta de professores. O total de matrículas no ensino primário desceu de 98,2% em 2010 para 61,5% em 2015.

Na Saúde, a situação é ainda mais catastrófica, afirma a France-Presse, dos 493 hospitais existentes em 2010, 170 (34%) estão desativados e 69 (14%) já nem funcionam apenas parcialmente.

Além disso, os ataques contra os médicos e farmacêuticos têm forçado muitos deles ao exílio; anteriormente, em 2010, havia um médico por cada 661 habitantes, em 2015, não havia mais do que uma para 1.442.

Durante estes cinco anos de guerra civil morreram 2,3 milhões de pessoas e 12 milhões foram deslocados. Segundo o documento registaram-se em 2010 3,5 mortes por cada mil habitantes, e em 2015 10,9 por cada mil.

As províncias onde se registou maior número de mortes foram as de Aleppo, Daraa, Deir Ezzor, Idleb e Damasco.

A quantidade de água potável caiu de 72 m3 per capita em 2011 para 48 m3 em 2015. A população, que é fornecida por estações de tratamento de água, caiu de 52%, em 2010, para 9% em 2015.

O estudo também revela que a economia síria sofreu uma contração de 55% entre 2010 e 2015. A destruição de habitações e infraestruturas atinge um valor estimado em cerca de 79 mil milhões de euros.

Entre 2010 e 2015, o produto interno bruto agrícola caiu em dois terços (60%) e a terra arável foi reduzida de seis milhões para 3,6 milhões de hectares, provocando um aumento considerável dos preços dos produtos agrícolas.

Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.