sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 80% da população síria vive abaixo da linha da pobreza

Mais de 80% da população síria vive abaixo da linha da pobreza, segundo o estudo "Guerra na Síria", publicado esta semana pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Universidade St. Andrews, na Escócia.

Grupo de pessoas espera por autorização para passar a fronteira entre da Síria com a Turquia.

Grupo de pessoas espera por autorização para passar a fronteira entre da Síria com a Turquia.

© Ammar Abdullah / Reuters

A Síria, um território de 185.180 quilómetros quadrados, é, há cinco anos, devastada por uma guerra civil.

A pobreza cresceu devido à sangrenta guerra que custou a vida a mais de 270.000 pessoas desde 2011, revela o documento que foi elaborado pela Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental das Nações Unidas (ESCWA) e o Centro de Estudos Sírios de St, Andrews, citado pela agência noticiosa France-Presse.

Segundo o documento, 83,4% da população vive atualmente abaixo da linha de pobreza, contra apenas 28% antes do conflito.

Em finais do ano passado, 13,5 milhões de pessoas, incluindo seis milhões de crianças, necessitavam de ajuda humanitária, contra um milhão em junho de 2012. Dos 13,5 milhões, mais de quatro milhões vivem em Damasco e em Aleppo, a segunda cidade do país.

O acesso da população à Educação desceu de 95% para 75%, devido à destruição de escolas e à falta de professores. O total de matrículas no ensino primário desceu de 98,2% em 2010 para 61,5% em 2015.

Na Saúde, a situação é ainda mais catastrófica, afirma a France-Presse, dos 493 hospitais existentes em 2010, 170 (34%) estão desativados e 69 (14%) já nem funcionam apenas parcialmente.

Além disso, os ataques contra os médicos e farmacêuticos têm forçado muitos deles ao exílio; anteriormente, em 2010, havia um médico por cada 661 habitantes, em 2015, não havia mais do que uma para 1.442.

Durante estes cinco anos de guerra civil morreram 2,3 milhões de pessoas e 12 milhões foram deslocados. Segundo o documento registaram-se em 2010 3,5 mortes por cada mil habitantes, e em 2015 10,9 por cada mil.

As províncias onde se registou maior número de mortes foram as de Aleppo, Daraa, Deir Ezzor, Idleb e Damasco.

A quantidade de água potável caiu de 72 m3 per capita em 2011 para 48 m3 em 2015. A população, que é fornecida por estações de tratamento de água, caiu de 52%, em 2010, para 9% em 2015.

O estudo também revela que a economia síria sofreu uma contração de 55% entre 2010 e 2015. A destruição de habitações e infraestruturas atinge um valor estimado em cerca de 79 mil milhões de euros.

Entre 2010 e 2015, o produto interno bruto agrícola caiu em dois terços (60%) e a terra arável foi reduzida de seis milhões para 3,6 milhões de hectares, provocando um aumento considerável dos preços dos produtos agrícolas.

Lusa

  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.