sicnot

Perfil

Mundo

Quase mil combatentes do Estado Islâmico mortos em ataques da Força Aérea Britânica

Perto de um milhar de combatentes do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) morreram na sequência de bombardeamentos da Força Aérea Real (RAF) britânica nos últimos 18 meses no Iraque e na Síria, informou hoje o Ministério da Defesa.

© Darren Staples / Reuters


Os ataques da RAF atingiram 974 presumíveis jihadistas no Iraque desde que começou a intervenção militar, em setembro de 2014, enquanto na Síria foram mortos 22 desde dezembro, no momento em que o Reino Unido integrou os ataques aéreos da coligação internacional nesse país.

O Ministério da Defesa britânico assegurou que não houve baixas civis nas operações, das quais resultaram 98 feridos, todos do grupo EI.

De acordo com a mesma fonte, a contagem baseia-se numa "análise posterior aos bombardeamentos", pois os aliados não podem aceder às zonas de combate para contabilizar os mortos no terreno.

Nos últimos meses, a RAF intensificou o seu combate ao terrorismo em ambos os países e atacou infraestruturas chave do EI, como campos petrolíferos, fábricas de armamento e posições de franco atiradores, indicou ainda o Ministério.

Lusa

  • Desmantelada célula do Daesh em Marrocos

    Daesh

    As autoridades marroquinas desmantelaram uma "célula terrorista" composta por três pessoas que recebeu instruções do Daesh para criar um núcleo 'jihadista' no norte de Marrocos, divulgou hoje o governo marroquino.

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.