sicnot

Perfil

Mundo

Dezoito detidos em Paris durante jornada marcada por violência

Dezoito pessoas foram detidas hoje em Paris, durante as manifestações do 1.º de Maio, realizadas num clima particularmente tenso, após dois meses de contestação contra uma reforma da lei do trabalho e muitos protestos marcados por violência.

© Philippe Wojazer / Reuters

O número de detidos foi adiantado pelo Ministério do Interior francês.

Várias dezenas de milhares de pessoas -- 84.000, segundo as autoridades -- desfilaram em toda a França, para exigir a retirada do projeto de lei que será analisado na Assembleia Nacional a partir de terça-feira.

Os cortejos decorreram hoje de manhã sem incidentes no resto do país, mas em Paris, onde se concentraram sob elevada vigilância policial, num desfile conjunto convocado pelos sindicatos pela primeira vez em sete anos, entre 16.000 manifestantes, segundo a polícia, e 70.000, de acordo com os sindicatos, os incidentes começaram logo após a partida do cortejo.

No leste da cidade, jovens encapuzados e com máscaras de esqui lançaram objetos sobre as forças de segurança, que ripostaram com granadas de gás lacrimogéneo.

Estes incidentes, envolvendo entre 200 e 300 jovens, repetiram-se a intervalos regulares durante toda a tarde, com vitrinas partidas e mobiliário urbano destruído.

Mantiveram-se, contudo, relativamente limitados, com milhares de manifestantes a desfilar de forma pacífica, repetindo palavras de ordem como "retirada, retirada da lei do trabalho", o que levou uma jornalista de televisão no local a referir-se a "uma manifestação com duas caras".

Pelas 19:00 (18:00 em Lisboa), havia distúrbios generalizados na grande Place de la Nation, invadida por nuvens de gás lacrimogéneo, enquanto as forças policiais eram alvo de objetos lançados por centenas de jovens contestatários de rosto coberto. Mas uma hora depois, o protesto dispersou-se.

Além de 18 detidos, um polícia e um manifestante sofreram ferimentos ligeiros em Paris, indicou o Ministério do Interior.

Lusa

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43

    Mundo

    António Guterres condenou a onda de violência e discriminação contra os rohingya em Myanmar, na abertura da assembleia-geral das Nações Unidas. O secretário-geral da ONU pediu ainda às autoridades do país para acabarem com as operações militares e protegerem a comunidade ameaçada.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição na ilha Dominica
    1:52
  • Peritos mundiais debatem doenças neurodegenerativas em Lisboa
    3:04
  • "O Benfica é atacado e não há ninguém que fale e que dê a cara?"
    6:05
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    Depois do artigo publicado no blog "Geração Benfica", Rui Gomes da Silva reiterou esta segunda-feira, em O Dia Seguinte da SIC Notícias, algumas das críticas à estrutura do clube. O antigo vice-presidente do Benfica defendeu Luís Filipe Vieira, Rui Vitória e Nuno Gomes. E acusou novamente Rui Costa de passividade e os vice-presidentes de não darem a cara. 

  • Governo aconselha pais a fazerem queixa de manuais em mau estado
    2:31
  • Acha que este padre sabe dançar?
    2:22