sicnot

Perfil

Mundo

Água em ebulição poderá estar na origem das estrias escuras na superfície de Marte

Os traços escuros observados em certos períodos na superfície de Marte poderão ser provocados por água que entra em ebulição devido à falta de pressão atmosférica naquele planeta, indicou um estudo hoje publicado na revista britânica Nature Geoscience.

© NASA NASA / Reuters

No passado, cientistas colocaram a hipótese de as estrias e sulcos observados em terrenos inclinados em diferentes locais de Marte, também conhecido como Planeta Vermelho, serem formados por fluxos de salmoura, uma solução aquosa saturada em sal que só pode ser formada com a presença de água.

Em setembro último, a agência espacial norte-americana NASA anunciou ter descoberto água em estado líquido em algumas zonas da superfície de Marte.

De acordo com os dados hoje publicados, uma equipa de investigadores franceses, britânicos e norte-americanos, liderada por Marion Massé, investigadora da Universidade de Nantes (França), realizou uma série de experiências numa câmara hiperbárica, onde simulou a pressão atmosférica de Marte e as temperaturas de verão verificadas na superfície terrestre.

Os investigadores colocaram um bloco de gelo numa superfície com uma inclinação de 30 graus e de areia solta. Nas condições terrestres, a água infiltrou-se gradualmente na areia, sem modificar a sua composição.

Mas, nas condições atmosféricas de Marte o resultado foi diferente. A água gelada entrou imediatamente em ebulição e o vapor libertado provocou a projeção de grãos de areia, que posteriormente formaram uma espécie de canais.

"Os fenómenos observados (...) nestas experiências são notavelmente similares aos traços observados em Marte", precisou Wouter Marra, da Unversidade holandesa de Utrecht, que comentou este novo estudo.

O planeta Marte tem uma pressão atmosférica mais baixa que a Terra e por isso a água em estado líquido não é estável, podendo congelar ou entrar em ebulição com grande rapidez.

Na superfície do Planeta Vermelho, a água pode entrar em ebulição a partir dos zero graus Celsius. Sob a pressão atmosférica normal na Terra, ao nível do mar, a água ferve aos 100 graus Celsius.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.